Produtos de um Genocídio

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Julia Flamingo

Para criar a instalação Produtos de um Genocídio, o artista mineiro Paulo Nazareth reuniu mercadorias vendidas na América do Sul, Europa e África cuja marca remete a nomes de origem indígena ou africana em idiomas de povos que não existem mais. Para denunciar o genocídio desses grupos, Nazareth petrificou itens como as bebidas Tupiniquim e Koikoi em caixas de acrílico. Foi a maneira encontrada por ele para congelar as memórias das tribos extintas. Até 20/5/2017.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s