A ciência por trás do diagnóstico do câncer

Pesquisas ampliam ferramentas que identificam e monitoram tumores, o que impacta qualidade de vida dos pacientes e aumenta índices de sucesso do tratamento

Quando o assunto é oncologia, o diagnóstico correto é o início do sucesso do tratamento e da satisfação do paciente. Seja com o auxílio de equipamentos e técnicas ultramodernas ou por meio de marcadores moleculares, a parceria entre pesquisa e área clínica permite identificar todas as características de um câncer. O detalhamento contribui para o desenvolvimento de terapias capazes de bloquear os mecanismos responsáveis pela proliferação de células com mutações genéticas.

“A integração entre os setores e a expertise em assistência de alta complexidade favorecem a escolha de estratégias terapêuticas mais efetivas”, diz Rubens Chojniak, head da equipe médica de diagnóstico por imagem do A.C.Camargo Cancer Center. A troca constante de informações – característica de um cancer center, onde se somam ensino, pesquisa e assistência ao paciente – é crucial para conhecer as características de risco para desenvolvimento de um câncer e do entendimento de cada doença e da melhor aplicação das ferramentas terapêuticas.

É possível integrar informações clínicas, patológicas, metabólicas e moleculares para compreender cada caso e indicar um tratamento personalizado. Equipamentos de imagem como a mamografia por emissão de pósitron (PEM) podem obter informações da anatomia e da atividade metabólica de tumores.

Outro exemplo de sinergia é a interação entre as equipes de anatomia patológica e de cirurgia. Existem análises e procedimentos que são realizados simultaneamente. “Com isso, é possível auxiliar as decisões do médico durante a cirurgia”, revela Antônio Nascimento, head da equipe médica de anatomia patológica do A.C.Camargo Cancer Center. Isso pode garantir a remoção completa do tumor e evitar a lesão de tecidos sadios.

Vale destacar ainda o avanço na área diagnóstica com a biópsia líquida. A técnica identifica marcadores e mutações tumorais relacionadas com a presença, a atividade e a resposta ao tratamento de um câncer por meio de material desprendido do tumor, encontrado na corrente sanguínea. O método tem sido usado para detectar recidivas e metástases, mostrando bons resultados no monitoramento da doença, especialmente em casos de câncer de pulmão, mama, colorretal, próstata, entre outros.

A cooperação entre o corpo clínico e os pesquisadores do setor de genômica é fundamental para a medicina personalizada. Por meio de avançadas metodologias, cientistas mapeiam regiões específicas do DNA, sinalizando mutações genéticas relevantes para o diagnóstico. “Essas alterações dão pistas para as melhores escolhas entre medicações e terapias específicas para cada subtipo de câncer”, finaliza a pesquisadora Dirce Carraro, do A.C.Camargo Cancer Center, pioneiro na aplicação dos testes no país.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s