Espírito Santo (Desde 1998)

Tipos de Bares: Bar-restaurante
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars
Endereço: Avenida Horácio Lafer, 634 - Itaim Bibi - São Paulo - SP ver no mapa
Telefone: (11) 30787748
Horário:
segunda-feira
12:00 - 15:00 - 18:00 - 00:00
terça-feira
12:00 - 15:00 - 18:00 - 00:00
quarta-feira
12:00 - 15:00 - 18:00 - 00:00
quinta-feira
12:00 - 15:00 - 18:00 - 00:00
sexta-feira
12:00 - 00:00
sábado
12:00 - 00:00
domingo
12:00 - 22:00
Nos feriados funciona das 12h às 23h.
payment

Formas de pagamento

Cartões de crédito: Elo, Visa, Mastercard, Diners e American Express
Cartões de débito: Elo, Visa Electron, Rede Shop e Maestro

check_circle

Informações adicionais

Entrega em domicílio ((11) 30781002), Estacionamento/Valet (R$ 22,00), Lugares/Capacidade total (120)

Resenha por Saulo Yassuda e Gabrielli Menezes

A casa numa esquina do Itaim Bibi recebe engravatados e famílias há vinte anos. Quase todo mundo por lá aparece em busca de um chopinho (Brahma, R$ 9,90) e acepipes portugueses. O bacalhau à brás (R$ 71,00), desfiado e misturado com ovo e batata palha, é uma das opções. O brasileiríssimo picadinho de filé-mignon com banana à milanesa e pastel também está no cardápio. Custa R$ 64,00. Vale ficar de olho na carta de vinhos portugueses e espanhóis

Informações checadas entre julho e setembro de 2018.

 

    A NOVA FASE DO ESPÍRITO SANTO

    O bar-restaurante não é mais o mesmo. Do lado de fora, já se nota que o Espírito Santo, antes tranquilo e frequentado por gente acima dos 40 anos, anda atraindo uma galera animada e jovem, com menos de 30. “De 2018 para cá, aumentamos em 50% o nosso público”, contabiliza Renato Costa, de 33 anos, que entrou na sociedade em 2009 com Adriano Costa. No ano passado, Renato recebeu carta branca para iniciar o processo de modernização. O primeiro passo foi o rejuvenescimento da clientela. “Comecei a chamar os amigos, e então eles convidavam os amigos deles”, explica. Em seguida, reformou de leve o salão, principalmente o balcão, que ganhou plantas pendentes e iluminação mais moderna — drinques como o gim-tônica (R$ 39,00) não param de sair. A próxima etapa, segundo Renato, é renovar a lista de coquetéis e mexer ainda mais no espaço. O menu, repleto de petiscos caros e com inspiração ibérica, caso da casquinha de bacalhau (R$ 38,00), permanece igual. Um inconveniente da nova fase é a espera por uma mesa, que pode chegar a quase uma hora às quintas e às sextas à noite. Nada, porém, que faça o novo público desistir da noitada.

    (Por Saulo Yassuda)

    Informações checadas em março de 2019.

    Comer e beber

    • 2018 - Participante

      Bares-restaurantes Comer & Beber .

      A casa numa esquina do Itaim Bibi recebe engravatados e famílias há vinte anos. Quase todo mundo por lá aparece em busca de um chopinho (Brahma, R$ 9,90) e acepipes portugueses. O bacalhau à brás (R$ 71,00), desfiado e misturado com ovo e batata palha, é uma das opções. O brasileiríssimo picadinho de filé-mignon com banana à milanesa e pastel também está no cardápio. Custa R$ 64,00. Vale ficar de olho na carta de vinhos portugueses e espanhóis. (Informações checadas entre julho e setembro de 2018).

      Saulo Yassuda e Gabrielli Menezes

    • 2017 - Participante

      Bares-Restaurantes Comer & Beber .

      A happy hour costuma ser sempre divertida. Que o digam os engravatados que gostam de esvaziar copos de chope Brahma bem tirado (R$ 8,90) nas mesas da calçada. O bar também pode ser um bom destino para petiscar ou até mesmo para fazer uma refeição na companhia de bons vinhos ibéricos, ainda que o serviço da bebida não seja 100% — não há clareza na explicação dos rótulos oferecidos pelos garçons. Recebem o nome de barcas as metades de pão francês cobertas de linguiça e queijo do reino (R$ 32,00). O rojões, apelido das iscas de filé-mignon ao molho madeira com batatinha e cebola, diminuiu um pouco de tamanho e de preço (R$ 56,00). (Preços checados em setembro de 2017).

      Saulo Yassuda e Fábio Galib

    • 2016 - Participante

      Bares bares-restaurantes Comer & Beber .

      O botequim luso-chique ocupa uma concorrida esquina do Itaim Bibi, onde engravatados costumam esvaziar copos de um bem tirado chope Brahma (R$ 8,40) depois do expediente. Há também boas pedidas de bacalhau, como os bolinhos (R$ 35,00, seis unidades) e a versão apelidada de nunca chega (desfiado com cebola, presunto cozido e batata palha; R$ 63,00). O arroz de polvo traz pedaços macios do molusco, mas pode vir com os grãos meio quebrados (R$ 83,00). (Preços checados em setembro/outubro de 2016.)

      Saulo Yassuda e Fábio Galib

    • 2015 - Participante

      Bares bares-restaurantes Comer & Beber .

      De alma lusitana, o bar-restaurante é procurado por uma turma que não se importa em desembolsar umas notas a mais para exercer a botecagem. Seja no salão de ar colonial, seja nas mesas da calçada, o público que já passou dos 30 anos costuma esvaziar vários copos de chope (Brahma,R$ 8,10) muito bem tirado, com três dedos de um espesso colarinho. Bom casório se faz junto dos apetitosos, úmidos e pequeninos croquetes de carne (R$ 30,00, seis unidades). Batizados de bife à marrare (R$63,00), os medalhões de filé-mignon tomam um banho de molho de vinho do Porto e chegam ao lado de uma imensidão de batatas rústicas meio disformes, cremosas no centro e de casquinha crocante. Na linha dos bacalhaus, sem a excelência de tempos atrás, a versão ao forno (R$ 75,00) pode aparecer dessalgada demais e sem se desfazer em lascas, como é de esperar no pescado de qualidade. Ela ganha a companhia de cebola, pimentão e batata ao murro. Se a vontade for botar um pezinho de volta ao Brasil, peça a versão do caju amigo(R$ 28,50), feita de gim no lugar da vodca mais suco e compota esmagada da fruta e toque de club soda. (Preços checados em setembro/outubro de 2015).

      Saulo Yassuda

    • 2014 - Indicado

      Bares cozinha Comer & Beber .

      Parece um pedaço da terrinha perdido numa esquina do Itaim. O endereço consegue ser, ao mesmo tempo, chique e descontraído. Charmoso, o salão com pesadas mesas de madeira exibe nas paredes cachecóis de times de futebol portugueses, caso de Benfica e Futebol Clube do Porto, além de estantes com antigos objetos, como lanternas e uma miniatura de caravela. Atrai um público adulto atrás da dupla chope cremoso (R$ 7,40, Brahma) e bolinho de bacalhau (R$ 30,00, seis unidades). Também há vinhos — 70% da carta vem de Portugal. As garrafas ficam armazenadas em uma adega climatizada. Entre elas, o branco Herdade do Esporão Monte Velho, da região do Alentejo, custa R$ 79,00. Depois de petiscar, parta para as especialidades portuguesas na forma de pratos. Vale pedir o arroz de pato (R$ 63,00) e o bacalhau gratinado (R$ 117,00 para dois), com o peixe desfiado misturado a molho bechamel e coberto por purê de batata. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Saulo Yassuda

    • 2013 - Participante

      Bares português Comer & Beber .

      As cores azul e branco e elementos em madeira escura criam um clima colonial para este bar-restaurante. Uma adega de vidro encerra o salão e se dedica principalmente aos rótulos portugueses, caso do Luis Pato Bairrada 2010 (R$ 82,00). Suas bem executadas receitas portuguesas cativam uma clientela que já passou dos 40. Para comer, empadinhas de massa folhada podem ser um bom começo (R$ 5,50 a de frango com palmito). O bacalhau nunca chega (R$ 49,00), desfiado e mexido com ovos, presunto, cebola e batata palha, apesar de ser indicado para uma pessoa, alimenta pelo menos duas e é molhadinho e saboroso. Há ainda ostras (R$ 44,00 a dúzia) e sanduíches. E chope Brahma (R$ 6,70). (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Luiz Henrique Ligabue e Marcelo Cobra

    • 2012 - Participante

      Bares português Comer & Beber .

      Conhecido ponto de encontro do público adulto, o bar-restaurante conquista pelo ambiente com ares de boteco e pelas sugestões portuguesas. Uma das pedidas para abrir o apetite, a alheira (embutido típico da terrinha) chega à mesa frita e já cortada para aperitivo. Recheiam também o cardápio o arroz de pato e doze pratos com bacalhau. O chamado nunca chega traz o pescado desfiado misturado com ovo, presunto e cebola e coberto por batata palha. Para beber, opte pelo chope (Brahma) de colarinho cremoso ou um dos vinhos, a exemplo do tinto português Assobio 2009, da vinícola Quinta dos Murças, na região do Douro.

      Veja SP

    • 2011 - Participante

      Bares português Comer & Beber .

      Estabelecimento faz parte da edição Comer & Beber 2011/2012

      Veja SP

    • 2010 - Participante

      Bares happy hour Comer & Beber .

      Estabelecimento faz parte da edição Comer & Beber 2010/2011

      Veja SP

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá,

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google

    Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s