Clique e assine por apenas 5,90/mês

Vivendo pedófilo, Flávio Tolezani é destaque em novela das nove

Aos 39 anos, o ator paulistano que está ficando conhecido pelos trabalhos na televisão tem uma longa trajetória no teatro

Por Dirceu Alves Jr. - 9 fev 2018, 06h00

Em meio a tantos temas controversos, uma história conquistou a atenção do público da novela O Outro Lado do Paraíso, da Rede Globo. Vivido pelo ator paulistano Flávio Tolezani, de 39 anos, o delegado Vinícius é o centro de uma trama de pedofilia que envolve sua enteada, Laura (a atriz Bella Piero). O intérprete recebeu pelas redes sociais diversas mensagens de vítimas de abuso. “Uma moça narrou em longos textos problemas com o padrasto quando era adolescente”, afirma o artista, que é pai de Ana Clara, de 13 anos. “Ela não assiste à novela, vê pouca televisão, mas conversamos bastante sobre o assunto.”

Depois de sucessivas pontas na Globo, O Outro Lado do Paraíso é a terceira novela que Tolezani emplaca em três anos, escrita, como as duas anteriores, por Walcyr Carrasco. Em Verdades Secretas (2015), ele representou o não menos denso Roy, um dependente de crack, e logo participou de Êta Mundo Bom! (2016), na pele do advogado Araújo. “É um ator de muitas facetas, sabe ser intenso e sensível”, elogia Carrasco, que o descobriu no elenco de Incêndios, montagem protagonizada por Marieta Severo, em 2014.

Na trama da Globo, contracena com a atriz Bella Piero Raquel Cunha/Globo/Veja SP

Profissional desde 2002, Tolezani chuta que deve ter participado de umas 25 peças. “O teatro dá mais experiência em um tempo menor”, diz. Aos sábados e domingos, ele pode ser visto no Auditório do Masp em outro papel polêmico, no espetáculo Carmen. Trata-se do policial ciumento que mata a amante, história consagrada pela famosa ópera. Tolezani divide a cena com a atriz Natalia Gonsales, sua mulher há nove anos. “Tenho sido feliz nas minhas experiências na TV, mas o meu grande barato é aqui”, reconhece, apontando para o palco.

Publicidade