Continua após publicidade

O casal de professores que tem uma das maiores coleções de arte contemporânea do país

Artistas como Tunga, Carmela Gross e Leda Catunda fazem parte do acervo com mais de 900 obras — parte delas estará exposta em mostra na Arte 132 Galeria

Por Mattheus Goto
13 jan 2023, 06h00

A arte é um dos meios que unem os homens. A máxima de Liev Tolstói (1828-1910) define ao pé da letra um dos maiores elos entre Vera, 72, e Miguel Chaia, 75. Ambos os paulistanos são professores de política na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), mas muito além da profissão e do local de trabalho em comum, uma paixão que os conecta é a arte, mais especificamente a contemporânea.

+ Exposição imersiva de Picasso chega a São Paulo em março; confira valores

Na instituição, eles fundaram o Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política em 1997, que coordenam até hoje. Atualmente, têm uma coleção particular que gira em torno de 900 obras, com artistas como Tunga, Carmela Gross, Leda Catunda e José Resende. A partir de sábado (14) e até 11 de março, 46 delas estarão expostas na Arte 132 Galeria, na mostra Tridimensional: entre o Sagrado e o Estético (segunda a sexta, das 14h às 19h e sábado das 11h às 17h).

Tacape (década de 80), de Tunga
Tacape (década de 80), de Tunga (Everton Ballardin/Divulgação)

Essa história de amor e arte começou no ano de 1970, quando estavam no segundo ano de ciências sociais na PUC-SP e começaram a namorar. Desde o início, um dos interesses mútuos eram as artes plásticas. Os pais de Vera foram sócios da antiga Cinemateca, no Centro, e seu irmão já era artista plástico. Miguel, por sua vez, havia cursado a Escola Superior de Cinema São Luís antes de entrar na faculdade.

Imersos no meio artístico, começaram a comprar gravuras em 1972, mas a primeira aquisição de fato veio no mesmo ano do casamento, em 1975 — uma obra de Tomie Ohtake. Inicialmente, não havia o projeto de construir um acervo. “Nós descobrimos que tínhamos uma coleção por acaso”, conta Miguel, que já foi vice-presidente do Masp e diretor da Bienal de São Paulo. “Em uma ocasião, entramos em contato com Luiz Paulo Baravelli, da Escola Brasil, para adquirir uma de suas obras. Ele nos perguntou quantas peças tínhamos, na época eram por volta de quinze. Foi então que ele falou: ‘Quem tem mais de dez é colecionador’.”

Escada (1998), de Artur Lescher
Escada (1998), de Artur Lescher (Everton Ballardin/Divulgação)

+ Ingressos de exposições imersivas de Banksy e Frida chegam a 170 reais

Desde o começo, um dos critérios era o de comprar obras produzidas no tempo presente. “Nós somos professores universitários, nossa coleção foi feita com o nosso salário. Comprávamos o que estava dentro da nossa possibilidade”, afirma Miguel. Ele recorda a aquisição da obra Tacape (década de 80), de Tunga: “Na época, ele não era muito famoso. A gente foi à Galeria Millan e lá estava aquela obra dele parada havia um tempão, ninguém olhava. Demonstramos interesse e ficamos com ela”.

Gotas Vermelhas (1997), de Efrain Almeida
Gotas Vermelhas (1997), de Efrain Almeida (Everton Ballardin/Divulgação)

Em um primeiro momento, o foco foram as pinturas, mas com o tempo se expandiu para esculturas, fotografias e vídeos. “A coleção foi ganhando vida e se desenhando com uma lógica própria”, diz ele. Esse processo permitiu conceber a mostra na Arte 132 Galeria. “Temos 200 peças tridimensionais. Quando nos convidaram para criar a exposição no local, que tem um jardim muito bonito, com esculturas que não podem ser removidas, pensamos em compor o espaço com outras obras do tipo. É uma proposta site specific, nas particularidades da galeria.”

O tema do sagrado e estético surgiu em uma conversa entre Miguel e os outros dois curadores, Laura Rago e Gustavo Herz. “Convidei dois ex-alunos e notamos que no nosso acervo tinha uma quantidade inesperada de obras sobre o religioso, o venerável, a alquimia (mistura de ciência, religião e arte)”, conta.

Cabeças Cortadas (2015), de Nicolas Robbio
Cabeças Cortadas (2015), de Nicolas Robbio (Everton Ballardin/Divulgação)

O professor de sociologia ressalta uma coincidência temporal: “Percebemos que o sagrado conduz à violência, o que ganha mais significado hoje”. Dois exemplos dessa análise são a obra sem título de Nico Cais, que apresenta duas marretas robustas equilibrando duas taças de cristal, e Encalço (2014), de André Komatsu, que mostra vidros quebrados dentro de uma caixa de madeira. “Esse recorte foi muito intencional e coincidiu com os acontecimentos do último domingo (8) em Brasília. O sagrado cria fanatismos, religiosos e políticos”, comenta Miguel.

+ Sesc Belenzinho apresenta exposição individual de Sidney Amaral

Quadrantes (1990), de Carmela Gross
Quadrantes (1990), de Carmela Gross (Everton Ballardin/Divulgação)

Para o futuro, o casal quer a valorização da arte como patrimônio público e cultural. Além de fazer exposições de fotografias e vídeos, eles planejam realizar mais doações, principalmente a museus universitários. Eles já doaram obras para o Masp e o Museu de Arte Contemporânea, além de emprestar anualmente cerca de trinta peças para outras exposições. “Arte não é capital, não é investimento”, afirma Vera. “Seria legal se essa mostra pudesse estar em espaço público, que é onde a arte deve estar.”

Publicado em VEJA São Paulo de 18 de janeiro de 2023, edição nº 2824

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.