Imagem Blog

Tudo Sobre Cinema

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

O desafio de Deborah Secco em interpretar uma personagem à beira da morte no filme Boa Sorte

Na terça-feira, falei pelo telefone com Deborah Secco quando ela se preparava para entrar no cinema. Foi ver Boa Sorte com a família e, em seguida, jantar com os parentes para comemorar seu aniversário – a atriz completou 35 anos na quarta-feira. O bate-papo, embora rápido e interrompido por falhas na comunicação, foi ótimo. Deborah, […]

Por Miguel Barbieri Jr.
Atualizado em 26 fev 2017, 20h09 - Publicado em 28 nov 2014, 19h34

Na terça-feira, falei pelo telefone com Deborah Secco quando ela se preparava para entrar no cinema. Foi ver Boa Sorte com a família e, em seguida, jantar com os parentes para comemorar seu aniversário – a atriz completou 35 anos na quarta-feira. O bate-papo, embora rápido e interrompido por falhas na comunicação, foi ótimo. Deborah, sempre simpática, não fugiu de nenhuma pergunta e, extremamente solícita, conversou comigo até o momento em que entrou na sala, com jujubas e um pacote de pipocas – metade salgada, metade doce – nas mãos.

Em Boa Sorte, Deborah interpreta Judite, soropositiva e viciada em drogas

Em Boa Sorte, Deborah interpreta Judite, soropositiva e viciada em drogas

Como foi a preparação para interpretar Judite, a paciente soropositiva e viciada em drogas de Boa Sorte? Antes mesmo de começar a produção, quis entender a doença. Coloquei no Google as palavras “HIV” e “primeiro caso no Brasil” e apareceu o nome do doutor (infectologista) David Uip. Queria saber o que os pacientes, tratados por ele, tinham em comum no olhar ao saber do diagnóstico da aids, e fazer a personagem com conhecimento de causa.

E como foi o acompanhamento? Ele me levou para ver as pesquisas e também pessoas que estavam morrendo. Encontrei uma realidade que desconhecia. O olhar da Judite é o de que vai morrer, de uma força desmedida, embora saiba que a luta está perdida. E a Carolina Jabor (diretora) queria uma Judite serena, preparada para esta partida, como se desligada do corpo físico.

Perdeu muitos amigos em decorrência da aids? Vários. E tenho outros que são soropositivos. A doença foi um marco comportamental na história. O amor mudou antes e depois da aids, assim como, hoje, a internet está mudando a sociedade.

É notável seu emagrecimento no filme. Quantos quilos perdeu? Pelo peso que estou hoje, foram doze quilos. Fiz uma dieta radical com acompanhamento médico e diário. Contudo, não repetirei na minha vida. Não posso fazer isso por estética, mas fiz por um trabalho. Briguei muito com a Carolina porque ela dizia que eu não precisava emagrecer tanto. E eu falava que, para a Judite ter muita vida, precisava que meu corpo tivesse a fragilidade da morte.

Você tem mais um filme pronto, Obra-Prima Sim, fiz uma participação pequena. Foi uma experiência nova do (diretor) Daniel Filho, que filmou em dois dias e finalizou em um. É uma tentativa de fazer filmes mais baratos.

Continua após a publicidade

Quer ter informações diárias sobre cinemas? Venha conhecer e curtir minha a página do blog no Facebook. E me siga no Twitter!

A atriz emagreceu doze quilos para viver a personagem

A atriz emagreceu doze quilos para viver a personagem

E o filme sobre a banda Calypso? Acho que a produção parou e não sei se volta. Mas Joelma é uma personagem que me fascina. Teria de aprender a cantar, jogar cabelo, ir pra Belém…

Me parece que você sempre gosta de desafios… Estou amadurecendo e, hoje, tenho certeza do que eu não quero. Viver na área de conforto e fazer o que eu já sei não me interessam mais. Nem mesmo na TV. Chega uma hora em que não dá mais para repetir estereótipos.

Como lida com o assédio dos fãs? Nos lugares que eu frequento, não muito há assédio. Ocorre mais se eu for para o Nordeste ou para o subúrbio, que são lugares inusitados onde as pessoas não estão acostumadas a me ver.

Você me parece mais reclusa hoje em dia… Sempre fui uma pessoa reclusa, só que agora eu não saio de casa (risos). O que me resta é viver na casa de amigos, da minha mãe, da minha avó…

Continua após a publicidade

Os paparazzi te incomodam? O assédio da imprensa está bem mais calmo. Mas, neste exato momento, tem um paparazzo tirando fotos de mim e da minha família. E isso não é legal! Esta é a parte ruim.

Leia também:

Shia LaBeouf diz que foi estuprado por fã numa galeria

Os minions querem te desejar Feliz Natal. Assista ao vídeo

+ Oito atrizes que exageraram nas plásticas. Veja fotos do antes e depois

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.