Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Humberto Abdo (Maria Carolina Matheus da Silva) Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Tata Amaral defende Lei Rouanet para financiar filme sobre José Dirceu

A cineasta Tata Amaral recebeu a autorização para a captação de 1,5 milhão de reais para o documentário que terá José Dirceu como personagem central. Os recursos virão por meio da Lei Rouanet, de renúncia fiscal. “Ele é um dos personagens mais interessantes da atualidade. Eu o procurei e ele concordou com o filme. No […]

Por Juliene Moretti Atualizado em 27 fev 2017, 00h22 - Publicado em 4 set 2013, 12h57
Filme de José Dirceu recebe autorização de captação

José Dirceu: o vilão da República (foto: Ana Araujo)

A cineasta Tata Amaral recebeu a autorização para a captação de 1,5 milhão de reais para o documentário que terá José Dirceu como personagem central. Os recursos virão por meio da Lei Rouanet, de renúncia fiscal. “Ele é um dos personagens mais interessantes da atualidade. Eu o procurei e ele concordou com o filme. No entanto, não participou de reuniões ou nem impôs condição alguma. Mantenho total independência no projeto”, afirma.

O documentário, chamado de O Vilão da República, abordará a fase de Dirceu como Chefe da Casa Civil até o final do julgamento da Ação Penal 470 (mais conhecida como julgamento do Mensalão). “Ele foi líder estudantil, viveu na clandestinidade, ajudou a fundar um dos maiores partidos da América Latina, foi ministro e se transformou em um vilão. É uma história interessantíssima”, justifica.

A ideia, segundo ela, é acompanhar a intimidade do personagem “controverso” num momento importante de sua vida. “O filme é uma investigação isenta. Buscarei financiamento por meio dos mecanismos que estão à disposição para o fomento do cinema, assim como fiz com meus trabalhos anteriores, e que estão disponíveis para todos os outros cineastas brasileiros. São mecanismos de estado, não de governo, e financiam filmes que constroem nossa cinematografia, promovem o entretenimento e discutem a realidade brasileira. Isto é salutar e legítimo”.

+ Documentário ‘José Dirceu’ poderá captar 1,5 milhão pela Lei Rouanet

Continua após a publicidade

Publicidade