Imagem Blog

São Paulo nas Alturas

Por Raul Juste Lores
Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura
Continua após publicidade

O auge do aluguel: Edifício Mina Klabin, projeto de Gregori Warchavchik

Em 1941, o predinho de rendas recebeu o primeiro prêmio de arquitetura para edifício residencial da prefeitura paulistana

Por Raul Juste Lores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 jun 2020, 15h38 - Publicado em 12 jun 2020, 06h00

Na década de 30, dois terços da população paulistana moravam de aluguel (o oposto de hoje, quando dois terços vivem em casa própria). Era muito comum, de produtores rurais do interior a pequenos empresários italianos, judeus ou portugueses, investir em “edifícios de rendas”. Quando a bolsa de valores mal existia, nem a caderneta de poupança era popular, alugar imóveis era um belo investimento. Todos os (poucos) apartamentos dessas construções eram alugados, daí o nome de “rendas”. Pergunte a seu avô ou bisavó, se tiver a sorte de ter a companhia deles, e vão dizer como era comum ter parentes que alugavam até um único quarto em áreas bem centrais da cidade.

Resgate de Warchavchik: o neto do arquiteto recuperou todo o imóvel, como a bela fachada de cerâmica avermelhada (Carlos Warchavchik/Divulgação)

Essa foi uma decisão da família de Gregori Warchavchik em 1936. O arquiteto pioneiro do modernismo no Brasil fez algumas poucas casas muito modernas nos dez anos anteriores, mas as encomendas escassearam. A crise de 29, o ostracismo paulista durante a ditadura Vargas e até mesmo a morte de seu sogro fizeram a rica família de sua mulher, Mina Klabin, querer otimizar alguns de seus terrenos.

Resgate de Warchavchik: o neto do arquiteto recuperou todo o imóvel, como a bela fachada de cerâmica avermelhada (Carlos Warchavchik/Divulgação)

E, assim, Warchavchik aproveitou para voltar a ser moderno no predinho de rendas que leva o nome de sua mulher. Tinha doze unidades: uma de 90 metros quadrados na frente, com dois quartos, e uma de um dormitório, de 55 metros quadrados nos fundos, em cada um dos cinco andares, mais o térreo. O terraço curvo demonstra como, para um arquiteto de talento, dá para fazer uma fachada marcante mesmo em um edifício sem recuos e colado a outros imóveis nas laterais.

Assine a Vejinha a partir de 6,90

Continua após a publicidade
Resgate de Warchavchik: o neto do arquiteto recuperou todo o imóvel, como a bela fachada de cerâmica avermelhada (Carlos Warchavchik/Divulgação)

Em 1941, quando autoridades ainda se preocupavam com a estética da paisagem urbana, o prédio recebeu o primeiro prêmio de arquitetura para edifício residencial da prefeitura paulistana.

Pouco depois, ele já viraria uma relíquia: o ditador Getúlio Vargas decretou a Lei do Inquilinato, que congelava os aluguéis por dois anos e dificultava quase qualquer tipo de despejo. Pequenos investidores ficaram com medo de empatar suas economias nesse negócio, o que acabou fomentando o nascimento dos primeiros prédios para condomínio — não mais alugar, mas vender. Quem não tivesse economias para comprar um teria de se mudar para loteamentos mais distantes, onde o metro quadrado era mais barato. E, dessa forma, a cidade foi se espraiando. A escassez desse tipo de imóvel fez o aluguel ficar mais caro, para poucos.

Interiores do Mina Klabin, construído entre 1937 e 1940: predinho de rendas do pioneiro modernista (Carlos Warchavchik/Divulgação)

Uma década depois, o próprio Warchavchik criaria sua construtora e levantaria ali perto um edifício para venda, o Cícero Prado, na Avenida Rio Branco, em 1953.

Continua após a publicidade

O Mina Klabin ficou de 1940 a 2013 nas mãos da família de Warchavchik, mas aquela região dos Campos Elíseos passou por tanta decadência que o predinho foi se deteriorando. O próprio Warchavchik foi sendo escanteado como o verdadeiro pioneiro da arquitetura moderna brasileira. A história, porém, teve final feliz. Seu neto, o também arquiteto Carlos Warchavchik, restaurou impecavelmente o edifício, na Barão de Limeira. A casa do avô, showroom modernista pioneiro no Pacaembu, também foi recuperada pelo orgulhoso neto.

Interiores do Mina Klabin, construído entre 1937 e 1940: predinho de rendas do pioneiro modernista (Carlos Warchavchik/Divulgação)

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 17 de junho de 2020, edição nº 2691.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

+ OUÇA O PODCAST #SPSONHA

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.