Imagem Blog

São Paulo nas Alturas

Por Raul Juste Lores
Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura
Continua após publicidade

Os 60 anos do Bretagne

O edifício na Avenida Higienópolis envelheceu muito bem. Continua pop, colorido e com unidades disputadas

Por Raul Juste Lores
Atualizado em 19 dez 2018, 19h21 - Publicado em 19 dez 2018, 19h19

Há exatos 60 anos, em novembro e dezembro de 1958, cartazes e cartões-postais convidavam os vizinhos a visitar o mais novo prédio da Avenida Higienópolis. Não havia uma única unidade à venda, mas o arquiteto autodidata e incorporador João Artacho Jurado estava tão pimpão com seu último prédio, que queria que as pessoas o visitassem assim mesmo (em uma São Paulo sem grades ou guarita, isso era simples).

O Bretagne foi inaugurado com uma festa no final de outubro daquele ano, em que compareceram, além dos futuros moradores, o astro Anselmo Duarte, a colunista social Alik Kostakis e até a consulesa da França (convidada por conta da região francesa que batiza o edifício).

Tudo chamava atenção: a piscina sinuosa no térreo, um bar privativo para os moradores, um salão de musica com piano e sofás, um salão infantil decorado por cenas de “Alice no País das Maravilhas”, e um salão de festas cor de rosa e azul sobre colunas onduladas revestidas com pedra canjiquinha. No topo, um jardim de inverno coberto por uma marquise colorida e cheia de curvas, em um cruzamento de Niemeyer com o cinema technicolor. Com unidades de diversos tamanhos (as menores com 80 m2), levava uma nova classe média emergente ao bairro aristocrático, e facilidades de clube, em uma época que só os mais ricos tinham acesso a eles.

Foi lançado do em dezembro de 1950, mas a construção começaria alguns anos depois (à época, sem financiamento, esperava-se vender primeiro todos os apartamentos). Sessenta anos depois, o Bretagne envelheceu muito bem. Continua pop, colorido, com suas unidades disputadas – já foi chamado de palácio de diversão e melhor residencial do mundo por publicações inglesas.

Continua após a publicidade
(Raul Juste Lores/Veja SP)
(Raul Juste Lores/Veja SP)
(Raul Juste Lores/Veja SP)
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.