Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Atriz corta os longos cabelos e publica desabafo emocionante explicando o incrível motivo

A atriz Clare Bowen, que interpreta a personagem Scarlett O’Connor na série country Nashville, sempre teve um invejado cabelo comprido — parecido com o de uma sereia. Recentemente, no entanto, a atriz resolveu trocar as longas madeixas por um visual curtinho. E o motivo é para lá de especial. + Adam Levine encontra menina que chorou ao descobrir que ele […]

Por Tatiane Rosset Atualizado em 26 fev 2017, 14h13 - Publicado em 13 nov 2015, 13h34

ABRE02

A atriz Clare Bowen, que interpreta a personagem Scarlett O’Connor na série country Nashville, sempre teve um invejado cabelo comprido — parecido com o de uma sereia. Recentemente, no entanto, a atriz resolveu trocar as longas madeixas por um visual curtinho. E o motivo é para lá de especial.

+ Adam Levine encontra menina que chorou ao descobrir que ele era casado
+ Cantor do Maroon 5 é atacado por fã e lida com situação como um cavalheiro

Em um emocionante desabafo publicado pela atriz em seu perfil no Facebook, ela conta que a mudança radical foi inspirada pela sua batalha contra o câncer, que foi diagnosticado quando Bowen tinha apenas quatro anos de idade. Confira a postagem: 

Wanna know why I cut it all off?When I was four years old, I asked my mother; “Are there heaters in Heaven?” I had…

Posted by Clare Bowen on Wednesday, November 11, 2015

 

Abaixo, confira a tradução da mensagem emocionante compartilhada pela atriz — também sugerimos que vocês olhem os comentários, mostrando que pequenas ações podem ajudar muita gente:

Continua após a publicidade

Querem saber por que eu cortei meu cabelo?

Quanto eu tinha quatro anos de idade, eu perguntei para minha mãe: “Existem aquecedores no céu?”. 

Eu tinha acabado de ser diagnosticada com tumor de Wilms (um câncer renal maligno mais frequente em crianças), após diversas visitas ao pronto-socorro com os médicos negando que eu tinha qualquer problema e chamando meus pais de “paranoicos”. Eu ouvi os médicos dizendo para a minha família que um tratamento experimental, que também poderia me matar, era minha única esperança — sem esses remédios, eu teria aproximadamente duas semanas de vida. O hospital era gelado, e eu nunca tinha sentido o ar condicionado antes. 

Viver no Palácio Branco (como meu avô chamada o hospital) significa que eu cresci cercada de crianças como eu. Nós éramos todos carecas, e éramos todos entubados, cheios de pontos, fitas e bandagens. Faltavam partes dos nossos corpos — algumas eram mais óbvias, como olhos, pernas, e outros eram mais escondidos, como pulmões e rins. Aqueles que ainda conseguiam, caminhavam nas pontas do pés como fadinhas — porque a quimioterapia destruiu os músculos nas nossas pernas e doía colocar os calcanhares no chão. Mas estávamos todos juntos, então a aparência de ninguém levantava questões. Não ríamos de ninguém, e ninguém era zoado. Nós só conhecíamos nós mesmos. 

E então eu tive muita sorte: eu sobrevivi, meu cabelo cresceu e eu fiquei forte novamente. De fora, eu pareço ser relativamente normal. Mas eu ainda sou a mesma criatura cheia de pontos por dentro, em um mudo onde pessoas julgam a nossa aparência tão duramente. Isso sempre foi incompreensível para mim. Como as pessoas pensam que existe tempo para isso?

Eu me senti inspirada após ouvir a história de uma garotinha que disse que ela não poderia ser uma princesa porque ela não tinha cabelos longos — e eu queria que ela, e que outros como ela, saibam que não é o cabelo comprido que te transforma numa princesa, ou num herói ou num super-herói. E também não é o que te faz bonito. É o que está dentro que conta, mesmo que você tenha perdido algumas partes. 

Toda cicatriz conta uma história, toda cabeça careca, toda olheira, toda prótese e todo reflexo no espelho que você talvez não reconheça mais. Olhe além da pele, do cabelo, das unhas e dos lábios. Você é quem é você até os seus ossos — e é aí que você encontra o potencial para brilhar. É onde a sua verdadeira beleza está”. 

anigif_optimized-394-1447360515-6

Dê sua opinião: O que você achou da incrível história de Clare Bowen? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa fanpage no Facebook.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês