Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Na Plateia Indicações do que assistir no teatro (musicais, comédia, dança etc.)

Roberto Alvim e reencontros possíveis com Shakespeare

Em cartaz na Sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo até o dia 25, “Caesar – Como Construir um Império” é o primeiro William Shakespeare levado ao palco pelo diretor Roberto Alvim. A matéria-prima é a tragédia “Julio Cesar”, que mostra a conspiração contra o governante romano e as consequências de sua morte. + Leia crítica […]

Por Dirceu Alves Jr. Atualizado em 26 fev 2017, 14h29 - Publicado em 13 out 2015, 17h03
Roberto Alvim, diretor teatral e dramaturgo: relações de Shakespeare com os dias atuais (Foto: Gui Mohallem)

O diretor Roberto Alvim: relações de Shakespeare com os dias atuais (Foto: Gui Mohallem)

Em cartaz na Sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo até o dia 25, “Caesar – Como Construir um Império” é o primeiro William Shakespeare levado ao palco pelo diretor Roberto Alvim. A matéria-prima é a tragédia “Julio Cesar”, que mostra a conspiração contra o governante romano e as consequências de sua morte.

+ Leia crítica de “Caesar – Como Construir um Império”.

Alvim transformou o original em um duelo de personagens (representados por Caco Ciocler e Carmo Dalla Vecchia) capaz de significar as mutáveis intenções dos governantes daquela época e de hoje.

Convidado pelo blog, Roberto Alvim escolhe três outras peças de Shakespeare que o provocam e, logo, fazem parte de seus sonhos como encenador.

Timon de Atenas”

 “O protagonista pode ser visto tanto como um personagem vaidoso, perdulário, alienado, hedonista, quanto como um homem generoso, altruísta, filantrópico, desapegado. Sua maior qualidade é, ao mesmo tempo, sua falha trágica. Depois de depredar toda a sua imensa fortuna, ajudando tanto amigos quanto desconhecidos e dando festas e banquetes homéricos para o deleite de incontáveis convidados, vê-se abandonado por aqueles a quem sempre havia prestado auxílio. Assim, o homem mais célebre torna-se um miserável eremita, questionando implacavelmente o fundamento de todas as relações humanas. Seu exílio é da mesma estatura do exílio de Édipo: ambos ficam cegos – cegos de verdade. O sentido final da obra traduz um aspecto crucial de nossa contemporaneidade: as relações só são interessantes quando se localizam no universo das aparências…”

Continua após a publicidade

+ Ron Daniels dirige Thiago Lacerda e Giulia Gam em “Repertório Shakespeare”.

“Coriolano”

Trata-se do personagem que encarna a contradição mais brutal de toda a obra shakespeariana: o herói que vence um povo estrangeiro na guerra, para, em seguida, deixar-se tomar por um desejo insano de violência. Como se, uma vez provado o gosto do sangue, não houvesse mais a possibilidade de retornar a um estado de paz. Pense na escalada incompreensível de torturas em Guantânamo, pense nos massacres de mulheres e crianças no Vietnã, pense nos bombardeios de armas químicas sobre escolas e hospitais na Síria, pense nas milícias de policiais militares no Rio de Janeiro… Além disso, a relação entre Coriolano e sua mãe Volumnia é construída com obscuras camadas de tensão erótica incestuosa, de imensurável complexidade psicanalítica.”

“Sonho de uma Noite de Verão”

“Vejo essa obra como algo muito distinto de uma comédia de quiprocós amorosos: trata-se de uma espécie de sabbath de invocação de forças daimônicas que principiam a transfigurar as identidades, invadindo nosso universo de certezas e instaurando uma zona de instabilidade pulsiva. O campo do conhecido é despedaçado por dimensões radicalmente indizíveis. Para mim, foi a partir dessa peça que Shakespeare alcançou uma dimensão transcendente, de irmanação com o mistério da existência. Foi aqui que Shakespeare, seguindo as indicações de Christopher Marlowe, consumou seu pacto com o invisível. Encenar essa peça seria como se perder em estranhas, escuras veredas… Não se trata de teatro, mas de magia.”

"Caesar - Como Construir um Império": Carmo Dalla Vecchia e Caco Ciocler em cena (Foto: Leekyung Kim)

“Caesar – Como Construir um Império”: Carmo Dalla Vecchia e Caco Ciocler (Foto: Leekyung Kim)

Quer saber mais sobre teatro? Clique aqui.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)