Imagem Blog

Memória

Por Blog
Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Continua após publicidade

Livro resgata história da escola Caetano de Campos

Cravado na Praça da República, o prédio neoclássico onde atualmente fica a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo sediou um dos mais importantes centros de ensino público do país. + Site reúne as memórias da Escola Caetano de Campos A fim de perpetuar a memória do Instituto de Educação Caetano de Campos, inaugurado neste endereço em 1894, com projeto […]

Por VEJA SÃO PAULO
Atualizado em 26 fev 2017, 12h58 - Publicado em 5 mar 2016, 00h30
Fachada do edifício Caetano de Campos, que abriga a Secretaria de Educação do Estado, na Praça da República (Foto: Fernando Moraes)

O edifício Caetano de Campos: atual sede da Secretaria de Educação (Foto: Fernando Moraes)

Cravado na Praça da República, o prédio neoclássico onde atualmente fica a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo sediou um dos mais importantes centros de ensino público do país.

+ Site reúne as memórias da Escola Caetano de Campos

A fim de perpetuar a memória do Instituto de Educação Caetano de Campos, inaugurado neste endereço em 1894, com projeto do arquiteto Ramos de Azevedo, a artista plástica paulistana Patrícia Golombek lançou na última sexta (4) o livro Caetano de Campos: a Escola que Mudou o Brasil (Edusp, 260 reais).

Continua após a publicidade
Aula de canto, em 1895: palco da elite estudantil Foto: Acervo CRE Mario Covas)

Aula de canto, em 1895: palco da elite estudantil Foto: Acervo CRE Mario Covas)

As 824 páginas apresentam relatos curiosos sobre a sociedade da época, a biografia de ex-professores e cerca de 1 000 fotos e documentos garimpados pela autora ao longo de quatro anos. “É uma narrativa cronológica não só do colégio, mas da história da educação”, define Patrícia, que teve aulas ali de 1969 a 1978.

+ Ramos de Azevedo: o arquiteto que remodelou São Paulo

“O colégio era modelo de excelência e bastante disputado na cidade.” Diversas personalidades estudaram naqueles bancos, entre elas a escritora Lygia Fagundes Telles e o historiador Sérgio Buarque de Holanda.

Antes de ser batizado com o nome do médico responsável por reformar o obsoleto sistema educacional paulista, Antônio Caetano de Campos (1844-1891), o edifício abrigava a Escola Normal, formadora de docentes. Em 1978, a instituição foi transferida para dois espaços em funcionamento até hoje nos bairros da Aclimação e Consolação.

Com reportagem de Sophia Braun

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.