Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Livro reconstitui a trajetória da Congregação Israelita Paulista

Recém-lançada, a obra Olhares de Liberdade. CIP — Espaço de Resistência e Memória resgata a importância da tradição judaica

Por Maurício Xavier 11 jan 2019, 06h00

Lançado no fim do ano passado, o livro Olhares de Liberdade. CIP — Espaço de Resistência e Memória (Congregação Israelita Paulista; 280 páginas), de autoria da historiadora Maria Luiza Tucci Carneiro, é dedicado ao reconhecimento do papel de resistência e memória da Congregação Israelita Paulista (CIP).

Com textos dos rabinos Fernanda Tomchinsky-Galanternik, Michel Schlesinger e Ruben Sternschein, a obra reúne histórias de vida, sobretudo dos pioneiros da entidade. A trajetória da congregação começou em 1934, quando um grupo de cerca de quarenta jovens refugiados da Alemanha nazista fundou por aqui a Sociedade Israelita Paulista, rebatizada com o nome atual dois anos depois.

Paulo Evaristo Arns, cardeal-arcebispo de São Paulo, com o rabino Henry Sobel, durante o culto acumênico celebrado em memória do jornalista Wladimir Herzog Claudio Edinger/Divulgação

Originalmente, a instituição oferecia cursos, promovia encontros, organizava festas e também publicava um boletim periódico para comunicar aos associados as notícias da terra natal. Em 1938 foi criado o jornal Crônica Israelita, o principal veículo informativo da comunidade judaica até 1969. Um dos momentos mais marcantes da entidade ocorreu em outubro de 1975, época da morte do jornalista Vladimir Herzog, após sofrer tortura por órgãos de repressão da ditadura militar. A versão oficial do regime, de que ele cometera suicídio nas dependências do Exército, causou comoção nacional.

Representante da CIP, o rabino Henry Sobel não permitiu que Herzog, judeu, fosse enterrado na ala dos suicidas do Cemitério Israelita, no Butantã, como manda a lei judaica. Poucos dias depois, o religioso também foi um dos organizadores, ao lado do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, do culto ecumênico, acompanhado por cerca de 10 000 pessoas, na Catedral da Sé, em memória do jornalista.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês