Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Sete cervejas que não são mais comercializadas

Relembre as inesquecíveis e aquelas que todo mundo quer esquecer

Por Roosevelt Garcia Atualizado em 20 jan 2022, 14h16 - Publicado em 22 jun 2017, 19h35

A lourinha gelada é uma preferência nacional. Graças ao nosso clima tropical, as cervejas leves são as que mais caíram no gosto do brasileiro. Porém, algumas cervejarias tradicionais arriscaram colocar produtos diferenciados no mercado. Alguns deles duraram quase um século, mas com a popularização da bebida tipo pilsen, as cervejas com sabor mais rebuscado acabaram virando exclusividade de pequenos fabricantes.

O brasileiro parece não se importar com a adição de cereais não maltados à sua cerveja, e com isso, as pilsen tradicionais acabaram dominando o mercado. Veja aqui uma lista de cervejas que não são mais vendidas, mas que deixaram saudades naquela minoria que prefere uma bebida saborosa àquelas simplesmente refrescantes. E tem também aquela que foi feita segundo o gosto popular, mas não caiu nas graças do consumidor.

• Kaiser Bock
Lançada em 93, foi a primeira bock do mercado brasileiro, cerveja de forte teor alcoólico e associada ao clima frio, por isso sua produção é sazonal. Foi considerada a melhor bock do mercado nacional, mas sua fabricação é inconstante nos últimos anos, desde 2012 quando deixou de ser fabricada anualmente e com regularidade.

Divulgação

• Antarctica Bock
Lançada em 1994, pegando carona no sucesso da Kaiser Bock, não foi tão bem recebida, e durou apenas alguns anos no mercado.

Divulgação

• Calsberg
Dinamarquesa de nascimento, a Carlsberg chegou a ser fabricada no Brasil pela Skol nos anos 90 por um breve período. Atualmente só se encontra a versão importada.

Divulgação
Continua após a publicidade

• Antarctica München
Mais encorpada e saborosa do que a clara pilsen, a cerveja escura da Antarctica começou a ser fabricada em São Paulo no início do século XX. Já faz alguns anos que não se vê mais por aí.

Divulgação

• Brahma München
Cerveja de grande sucesso nas décadas de 40 a 70, mas que foi perdendo espaço para as tradicionais pilsen. Deixou de ser fabricada no início dos anos 2000.

Divulgação

• Pérola
Fabricada em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, a cerveja Pérola foi famosa no Brasil todo, principalmente no seu auge, entre os anos 50 e 70. Nos anos 90, a fábrica fechou.

Divulgação

• Malt 90
Cerveja de grande repercussão na mídia nos anos 80 (foi a cerveja oficial do primeiro Rock´n´Rio), dizia ser a bebida do futuro, mas não caiu no gosto popular. Ficou marcada como uma cerveja sem graça e sabor ruim, e em menos de dez anos, deixou de ser comercializada.

Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)