Imagem Blog

Memória

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Continua após publicidade

A Princesa e o Cavaleiro, um dos avós dos animes atuais

As animações japonesas de hoje devem muito a este desenho dos anos 60

Por Roosevelt Garcia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 Maio 2017, 19h45

As maiores lembranças dos tempos de criança de quem hoje está na casa nos 40 e poucos, ou 50 anos, não são os brinquedos, os lugares que visitou, ou as broncas da mãe. A infância destas pessoas está diretamente ligada à televisão, principalmente os desenhos animados que eram exibidos nas décadas de 70 e 80. Eram desenhos de todos os tipos, dos mais inocentes aos mais elaborados, mas todos eles têm uma coisa em comum: invariavelmente ficaram na nossa memória.
A recente onda de Animes deve sua existência aos desenhos japoneses dos anos 60 e 70, que já flertavam com temas bem mais “cabeça” do que seus primos americanos. Sem dúvida um dos maiores expoentes dessa época é o nosso tema de hoje.

A Princesa e o Cavaleiro surgiu como um mangá de Osamu Tezuka, que narra as aventuras e desventuras da princesa Safiri, que tem de fingir que é homem, para herdar o trono da Terra de Prata. O título original em japonês é Ribon no Kishi, que significa algo como “o cavaleiro de fita no cabelo”. O mangá foi publicado pela primeira vez em 1953, e teve três versões.

(Acervo/Divulgação)

No Céu, antes de descerem para a Terra, as crianças recebem um coração. Para os meninos, azul. Para as meninas, rosa. Certa vez, o anjinho Ching, em mais uma de suas travessuras, faz uma menina engolir o coração azul e graças a isso ela fica com dois corações. Deus manda o anjo descer à Terra para pegar de volta o coração de menino e não permite que ele volte ao céu até que dê um fim à confusão que começou. E o pior: Ching deve descer à Terra como um simples mortal. Essa menina que ficou com dois corações é a Princesa Safiri.

(Acervo/Divulgação)

No Reino da Terra de Prata, as leis determinam que os governantes sejam homens. Por isso, quando nasce a Princesa Safiri, ela é anunciada por engano como um menino ao invés de uma menina e seus pais são obrigados a manter a farsa, já que na linha de sucessão existe o malvado Duque Duralumínio, um baixinho careca, com cara engraçada, e seu filho, o príncipe Plástico, que só quer saber de comer doces. Com a ajuda de seu braço direito, Nylon, o duque tenta descobrir a verdade sobre Safiri desde o nascimento dela para poder retirá-la do trono e colocar o seu próprio filho nele. Ching acaba ficando amigo da princesa Safiri, e a protege de perigos, mas ela não aceita que ele retire dela o coração masculino.
Quando completa quinze anos, em um baile de Carnaval, Safiri conhece o príncipe Franz e se apaixona por ele. Daí em diante, muitos obstáculos surgem entre os dois como Satã, Madame Inferno, uma bruxa que deseja o coração de menina para sua filha, a bruxinha Heckett, além de problemas no reino e das tentativas do Duque Duralumínio de provar que Safiri é, de fato, uma garota.

Continua após a publicidade
Duque Duralumínio e seu comparsa Nylon (Acervo/Divulgação)

Em 1967, a Fuji TV do Japão estreou o anime, que durou 52 episódios, ficando no ar até 1968. No Brasil, a estreia foi no início da década de 70, na TV Record de São Paulo. A última vez que foi ao ar no Brasil foi no início dos anos 80, marcando toda uma geração.
Os 52 episódios formam uma estória completa, com começo, meio e fim, e os últimos contam o final da estória da princesa, quando ela ascende ao trono, após a morte de seus pais, e também se casa com o Príncipe Franz após contar a ele toda a verdade sobre a sua vida.
Osamu Tezuka, o criador de Safiri, também é o autor de outros mangás que acabaram virando desenhos animados de sucesso, inclusive no Brasil, como Kimba o Leão Branco, e Astroboy. Ele e Maurício de Souza planejavam uma estória em que os personagens japoneses contracenavam com a Turma da Mônica, com conotação ecológica. Infelizmente, Osamu faleceu antes de ver o projeto concretizado.

Ilustração de Maurício de Souza, sobre a morte de Ozamu Tezuka (Acervo/Divulgação)

 

Episódios completos de A Princesa e o Cavaleiro, com dublagem original.
O Príncipe e o Lobo

Continua após a publicidade

https://www.youtube.com/watch?v=pTAuWlM2rME
O Espelho Que Fala

https://www.youtube.com/watch?v=7ecVxMTm8Y0
A Ilha do Gigante

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.