Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Mattheus Goto

Um guia com críticas, notícias, entrevistas e eventos sobre as estreias da semana no cinema e no streaming
Continua após publicidade

Anthony Hopkins encarna britânico que salvou crianças do nazismo em filme

‘Uma Vida’ conta a história do humanitário Nicholas Winton; em entrevista a Vejinha, o diretor James Hawes relaciona o filme com a crise dos refugiados

Por Mattheus Goto
15 mar 2024, 06h00

✪✪✪ O humanitário britânico Nicholas Winton (1909-2015), que salvou 669 crianças durante o Holocausto, é homenageado em Uma Vida – A História de Nicholas Winton, que acaba de chegar aos cinemas. Dirigido por James Hawes e protagonizado por Anthony Hopkins (Meu Pai, Dois Papas), o filme viaja no tempo entre dois momentos diferentes.

No primeiro, em 1938, o jovem Nicholas (interpretado por Johnny Flynn) visita Praga, capital da República Checa, e se depara com as condições precárias de famílias sob ameaça da invasão alemã, dando início ao resgate dos menores. O foco maior é no que acontece cinquenta anos depois, quando o benfeitor (então encarnado por Hopkins) vive assombrado pelo destino dos garotos que não conseguiu levar em segurança para seu país. Por meio de reencontros com pessoas resgatadas, ele é capaz de se libertar da culpa.

A história é emocionante, pela iniciativa notável de Winton, que foi corretor da bolsa de valores antes dessa ação. A atuação de Hopkins emociona ao dar profundidade ao personagem e sair do retrato histórico convencional durante a Segunda Guerra Mundial.

“É uma história poderosa, que não tinha sido contada”, disse James Hawes, em entrevista à Vejinha. Para o diretor, que estreia no comando de um filme, a obra conversa diretamente com questões atuais, como a crise de refugiados na Europa. “É negativo fingir que nada está acontecendo. A história de Nicholas mostra que o problema tem a ver com todo mundo”.

Continua após a publicidade

Ele acredita que a lição prática do longa é fazer o espectador questionar o significado da palavra “refugiado”. “Tendemos a achar que se trata de uma pessoa necessitada. Essas pessoas são como nós. E Nicholas também era de uma família de refugiados”, afirma.

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de março de 2024, edição nº 2884

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.