Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Barbara Demerov Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming
Continua após publicidade

Mostra SP: ‘The Royal Hotel’ traz violência e potência feminina

Julia Garner e Jessica Henwick entregam ótimas performances em filme de drama sobre duas jovens que vão parar em um hotel no meio do deserto

Por Barbara Demerov
20 out 2023, 22h13

✪✪✪ The Royal Hotel é o novo filme de Kitty Green, cineasta que agradou a crítica com o ótimo drama independente A Assistente em 2019. Em seu novo projeto, ela retoma a parceria com Julia Garner (Ozark) e repete o foco no olhar feminino diante de uma situação desafiadora.

+Martin Scorsese segue provando que é um presente ainda tê-lo na ativa

Desta vez, sua protagonista não está sozinha como em A Assistente (cuja trama acompanha uma jovem que está começando na área de produção de cinema). The Royal Hotel segue duas jovens amigas, Hanna e Liv. Elas estão aproveitando uma viagem pela Austrália, mas fica nas entrelinhas de que também estão fugindo de alguma coisa.

Quando o dinheiro das duas acaba, impossibilitando-as de ficarem no agito de Sydney, elas encontram uma chance de trabalhar num lugar remoto. No meio do deserto.

A recrutadora adverte que elas teriam de estar tranquilas diante da “atenção masculina” e, quando a dupla chega ao local, vê que ela tinha razão: o trabalho é em um pub e o comportamento dos homens que moram na área já dispara um alerta de imediato.

Continua após a publicidade

Mas diretora não entrega todos os fatos de antemão. Há violência contra as bartenders? Não dá para saber as reais intenções dos moradores logo de cara. Kitty prefere falar com olhares e comportamentos suspeitos dos homens. Desde o chefe até o cliente bêbado no balcão, tudo incomoda Hanna (Julia), mas Liv (Jessica Henwick) não parece se importar tanto.

É a personagem de Julia quem toma as rédeas da situação mesmo quando tudo escala para a violência. E essa escalada é a característica mais interessante do filme. O que eles querem? Como elas vão reagir? Como poderiam sair dali em segurança? Todas essas perguntas elevam a atmosfera a ponto de as falsas aparências se libertarem de uma vez só.

No entanto, logo após atingir o pico da tensão, o filme acaba. A história é interessante o suficiente para provocar curiosidade, mas a sensação é que ele nunca ultrapassa essa linha. Fica claro que o foco da diretora é mostrar o recorte daquelas personagens especificamente naquela viagem, mas tal escolha tira um pouco a força do desfecho.

Filme visto na 47ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.