Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Juntos e Enrolados: Rafael Portugal e Cacau Protásio formam casal em crise

À Vejinha, atores falam sobre o papel da comédia no atual momento: "nesta pandemia, a cura foi Deus, o SUS e o humor"

Por Barbara Demerov Atualizado em 13 jan 2022, 17h56 - Publicado em 14 jan 2022, 06h00

✪✪✪ Com Cacau Protásio e Rafael Portugal, Juntos e Enrolados está em cartaz nos cinemas. A comédia brasileira, dirigida por Eduardo Vaisman e Rodrigo Van der Put, conta a história de Daiana e Júlio, que estão prestes a subir ao altar. Porém, uma mensagem suspeita no celular do noivo acaba atrapalhando os planos — mas a festa de casamento é mantida mesmo diante de um possível divórcio.

À Vejinha, Cacau e Portugal falam sobre a produção e seus personagens:

+ Eliana ganha reality show de empreendedorismo na Netflix

O filme cria uma situação bem cômica ao transformar um casamento em separação. O que fez vocês entrarem nesse projeto?

Cacau: Aceitei o convite porque eu amo casar — já casei com o meu marido três vezes e, neste ano, se tudo der certo, vou casar pela quarta vez. O roteiro me encantou. Eu acredito na história e nesse casal.

Portugal: Quando recebi o roteiro, falei de cara que queria fazer o filme. Não só por ser meu primeiro projeto como protagonista, pois eu já havia recebido essa oportunidade, mas porque a trama e o elenco me convenceram. E ainda há uma parte musical nele que eu consegui explorar.

Continua após a publicidade

Quão importante vocês consideram o humor neste momento? Especialmente com a estreia do filme logo no início de 2022.

Cacau: O humor cura. Nesta pandemia, a cura foi Deus, o SUS e o humor. Se a graça não existisse, assim como o cinema e o streaming, eu acho que a gente não passaria por esta fase com leveza.

Portugal: O papel do humor é o respiro, o grito que estava preso. A arte também teve esse poder na pandemia. É provado que as pessoas compraram mais livros, consumiram mais vídeos de humor e estiveram firmes nas plataformas assistindo a conteúdos. Então, o humor e o entretenimento também foram uma espécie de cura, de alívio, que, de certa forma, trabalhou junto dos médicos, psicólogos e psiquiatras, ajudando a nossa sanidade. E continuará sendo durante essa retomada ao cinema. As pessoas voltarão com ainda mais vontade de assistir, de sair mais leves (da sessão) e esquecer um pouco dos problemas. Fico feliz em fazer parte disso.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 19 de janeiro de 2022, edição nº 2772

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês