Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Barbara Demerov Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming
Continua após publicidade

“O governo Bolsonaro teve sucesso em desmontar o audiovisual” diz Fernando Meirelles

À Vejinha, produtor de 7 Prisioneiros fala sobre o lançamento da Netflix ao lado do diretor Alexandre Moratto, Rodrigo Santoro e Christian Malheiros

Por Barbara Demerov
5 nov 2021, 06h00

7 Prisioneiros, produção original Netflix que recebeu dois prêmios em mostras paralelas no Festival de Veneza 2021, estreia na plataforma em 11 de novembro. O filme apresenta o triste contexto das relações trabalhistas análogas à escravidão no Brasil, com foco na cidade de São Paulo.

Dirigido por Alexandre Moratto, produzido por Fernando Meirelles e Ramin Bahrani e estrelado por Christian Malheiros e Rodrigo Santoro, a obra foi elogiada internacionalmente. À Vejinha, a equipe fala sobre o papel do cinema no sentido de dar visibilidade a um assunto relevante e que, infelizmente, permanece atual. Alexandre diz que a ideia sempre foi fazer o filme a partir da perspectiva dos trabalhadores, e não dos chefes ou fiscais, e Christian afirma que o cinema cumpre um dever social.

“Nós usamos o espaço para expor feridas que ainda não conseguimos sanar. Falamos sobre tráfico de pessoas, mas esse é o reflexo de um Brasil colonial. Nada é novo. Se ainda precisamos destacar isso é porque é importante trazer mais reflexão. É algo que precisa acontecer para encontrarmos uma resposta. O intuito é sempre esse: abrir caminhos diferentes por meio da arte, não importando se é uma grande comédia comercial ou uma obra como 7 Prisioneiros”, explica o intérprete de Mateus, jovem que deixa o interior em busca de uma vida melhor. No entanto, ele passa a trabalhar em um ferro-velho em condições precárias ao lado de outros colegas.

“O tema é real e indigesto, mas na verdade ele aponta para outra questão, que é talvez a nossa maior ferida. É a desigualdade social. Os personagens são produtos desse sistema excludente e isso vai além de encontrar o mocinho e o vilão. Quando o espectador é deixado com uma espécie de dilema moral no fim, acho que esse debate se levanta”, completa Rodrigo, que dá vida a Luca, o chefe dos garotos.

Sobre a estreia do longa na Netflix, Meirelles diz que as plataformas de streaming não estão apenas transformando o mercado. Para o produtor e cineasta, elas estão salvando o atual cenário. “O governo Bolsonaro teve sucesso em desmontar o audiovisual. Está tudo parado na Ancine, mas o streaming está aquecendo uma nova geração de profissionais e projetos.”

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 10 de novembro de 2021, edição nº 2763

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.