Imagem Blog

Arte ao Redor

Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Colecionador pode adquirir “obra surpresa” no projeto Quarantine

A empreendedora Julia Morelli, a curadora Cristiana Tejo e as artistas Lais Myrrha e Marilá Dardot tocam a iniciativa

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
24 abr 2020, 21h52

A empreendedora Julia Morelli, a curadora Cristiana Tejo e as artistas Lais Myrrha e Marilá Dardot se uniram na Quarentine. A plataforma é um laboratório de produção, circulação e comercialização de obras. Um grupo de 46 artistas cria colagens, desenhos e outras linguagens que somente podem ser vistos quando comprados, em um jogo de sorte ou azar. O valor é o mesmo para cada trabalho, 5 000 reais.

View this post on Instagram

Artista participante: Jaime Lauriano Jaime Lauriano (São Paulo, 1985) vive e trabalha entre Porto (Portugal) e São Paulo (Brasil). Com trabalhos marcados por um exercício de síntese entre o conteúdo de suas pesquisas e estratégias de formalização, Lauriano nos convoca a examinar as estruturas de poder contidas na produção da História. Entre suas exposições mais recentes, destacam-se as individuais: Marcas, Fundação Joaquim Nabuco, Brasil, 2018; Autorretrato em Branco sobre Preto, Galeria Leme, Brasil, 2015 e Impedimento, CCSP, Brasil, 2014; e as coletivas: A Queda do Céu, CAIXA Cultural, Brasil, 2019; Histórias Afro-Atlânticas, MASP, Brasil, 2018; Festival Sesc_Videobrasil, Brasil, 2017; WELT KOMPAKT?, frei_ raum Q21, Austria, 2017; How to Remain Silent, A4 Arts Foundation, África do Sul, 2017; 10TH Bamako Encouters, Mali, 2015; Empresa Colonial, Caixa Cultural, Brasil, 2015; possui trabalhos nas coleções: Fundação Joaquim Nabuco, Brasil; MAC Niterói, Brasil; Museu de Arte do Rio, Brasil; MASP, Brasil; Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil e Schoepflin Stiftung: The Collection, Alemanha.

A post shared by Quarantine (@projeto_quarantine) on

O ticket parece alto para compradores ocasionais, mas é baixo para um colecionador tradicional. “Usamos como base custos mensais de um artista de classe média”, afirma Cristiana, que explica que o valor é repartido entre todo o grupo e a Casa Chama, que acolhe pessoas trans.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.