Imagem Blog

Arte ao Redor

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Kobra faz mural em homenagem a vítimas de Covid-19 em Pinheiros

Obra, que prega união entre diferentes religiões, tem 28 metros de largura e 7 de altura

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 12 Maio 2021, 13h04 - Publicado em 12 Maio 2021, 13h03

O artista Eduardo Kobra inaugurou um novo mural em São Paulo na última quinta (6), em homenagem as mais de 400 000 pessoas vítimas de Covid-19, chamado Memorial da Fé. Trata-se de um painel de 28 metros de largura e 7 de altura, produzido em um dos muros da Igreja do Calvário, que fica no cruzamento entre as ruas Henrique Schaumann e Cardeal Arcoverde, no bairro de Pinheiros.

Na obra, que remete à união necessária em tempos de pandemia, o grafiteiro traz retratos de cinco crianças usando máscaras, com as mãos em prece. Em cada um dos acessórios de proteção, há símbolos que remetem a cinco religiões: islamismo, budismo, cristianismo, judaísmo e hinduísmo. “No começo da pandemia, fiz essa arte em menor escala. Com o valor arrecadado com a venda desses trabalhos, ajudamos 20 000 pessoas em situação de rua”, explica Kobra.

Detalhe do mural
Detalhe do mural “Memorial da Fé”, de Eduardo Kobra, crianças com máscaras com símbolo do budismo e islamismo: união entre religiões (Bráulio Costa Couto/Divulgação)

Não é a primeira vez que o artista pinta um dos muros da Igreja do Calvário. Ele já ocupou esse espaço, segundo sua contabilidade, mais de cinco vezes. Dois dos trabalhos que fez por lá pertencem à série Muro das Memórias, que trazia cenas da história da cidade de São Paulo na primeira metade do século 20.

Continua após a publicidade

“Tinha a opção de fazer esse mural em Nova York ou em São Paulo. Optei por aqui, porque havia no muro que trabalhei uma obra minha já bastante deteriorada e eu queria fazer uma renovação. Outra questão é que ali me sinto em casa, foi um dos primeiros lugares que pintei fora do bairro onde fui criado, o Campo Limpo”, detalha o artista, que segue em quarentena com a família em sua casa, na Zona Oeste.

Obrigada pela visita! Volte sempre e deixe seu comentário. Aproveite para conferir minhas postagens no Instagram.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.