Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Versão brasileira do musical “Hair” encanta, mas evita riscos

Trinta atores cantam e dançam com técnica e afinação as canções versadas para o português

Por Dirceu Alves Jr. Atualizado em 5 dez 2016, 17h27 - Publicado em 20 jan 2012, 23h50

Certas peças resistem ao tempo mais pela simbologia do que pela qualidade da dramaturgia. Escrito em 1967 por Gerome Ragni e James Rad, o musical “Hair” revela-se um bom exemplo. Composta por Galt MacDermot, a trilha traz 35 canções, como “Aquarius” e “Good Morning Starshine”, e habita o imaginário do público. Remontada pelos diretores Charles Möeller e Claudio Botelho, a ode à liberdade — lançada em 1968 e encenada pela primeira vez no Brasil no ano seguinte — mantém o encanto graças ao talento e ao profissionalismo da dupla de adaptadores, mas pouco atualiza o discurso e evita correr riscos.

+ As melhores peças em cartaz

+ Nove boas comédias nos palcos da capital

+ Nany People está de volta, no teatro e na TV

Em cena surge uma tribo de hippies de Nova York, levando a vida no estilo sexo, drogas e rock and roll. A Guerra do Vietnã bate à porta de Claude (o promissor Hugo Bonemer), convocado para o conflito. Seus amigos, Berger (Fernando Rocha, expressivo), Jeanie (Kiara Sasso, que estreou no elenco na temporada paulistana e ainda escorrega na caricatura) e Sheila (Carol Puntel, protagonista do melhor solo, “Fácil Ser Assim”), também desafiam universos particulares em nome do coletivo. Como conjunto, a encenação se engrandece. Os trinta atores formam um significativo grupo no qual todos cantam e dançam com técnica e afinação as músicas versadas para o português. Os figurinos de Marcelo Pies reforçam o colorido, e as coreografias de Alonso Barros garantem o caráter de um grande show. Como mito, “Hair” mostra que continua vivo. Cientes disso, Möeller e Botelho reafirmam sua competência ao oferecer ao espectador um contagiante mergulho no tempo, comprovado no número final, “Deixa o Sol Entrar”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)