Continua após publicidade

TRE determina exclusão de post pago de Tarcísio com crítica a Rodrigo

No post, Tarcísio disse que "governador só pisa na favela para inaugurar uma ou outra obra"; tribunal vedou impulsionamentos com críticas a adversários

Por Hyndara Freitas
13 set 2022, 16h04

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) determinou, nesta terça-feira (13), que o candidato a governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) não pode impulsionar uma publicação no Facebook no qual faz críticas diretas ao atual governador e candidato à reeleição Rodrigo Garcia (PSDB).

+ Prédio centenário que abrigou colégio começa a ser restaurado no Ipiranga

O post impulsionado de Tarcísio no Facebook dizia: “É preciso fazer a diferença na vida das pessoas. Hoje, o governador só pisa na favela pra inaugurar uma ou outra obra, enquanto o problema real não se resolve. É esgoto, é falta de estrutura, é desemprego e abandono. A minha missão como governador é mudar a vida das pessoas e deixar legado, e acredito que Deus me capacitou pra isso. Te convido a conhecer as minhas propostas e história. Acompanhe a minha página”.

A coligação São Paulo Pra Frente, composta pelo PSDB, Cidadania, Avante, MDB, Patriota, União, Podemos, PP e Solidariedade, que apoia Rodrigo, então acionou a Justiça questionando o post por conta do trecho sobre o governador só visitar favelas para inaugurar obras. Em 4 de setembro, o juiz Regis de Castilho Barbosa Filho determinou a suspensão do impulsionamento.

Continua após a publicidade

A campanha de Tarcísio recorreu e, por unanimidade, o tribunal entendeu que os conteúdos pagos nas redes sociais são permitidos, mas só podem ser usado para promover o próprio candidato – e não falar mal de outros. Assim, foi mantida a decisão do juiz.

“É vedada a realização de propaganda negativa. Não estamos tratando de postagens regulares, não entendo que é caso de retirada da postagem em si, porque para isso precisaria incidir em discurso injurioso, calunioso, mas de impulsionamento. Há obviamente aqui um conteúdo que extrapola o permissivo legal em relação a essa poderosíssima ferramenta tecnológica, que deixa um legado que depois é inviável de ser apagado”, afirmou o juiz Barbosa Filho, relator do caso, nesta terça.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.