Continua após publicidade

Teste de paciência: capital sofre com falta de exames de Covid-19

Problema faz hospitais restringirem atendimento, acarreta longas filas e atrapalha o funcionamento de serviços e comércios na cidade

Por Clayton Freitas
Atualizado em 27 Maio 2024, 22h33 - Publicado em 21 jan 2022, 06h00

Com fortes dores de garganta, tosse e febre, a secretária-executiva L.A., que prefere não se identificar, procurou a Unidade Básica de Saúde (UBS) Mooca 1, na Zona Leste de São Paulo, no último dia 13. Chegou às 16 horas, três horas antes do fechamento do posto. Teve o atendimento recusado e não conseguiu fazer o exame de Covid-19. O motivo alegado: os testes haviam acabado. Horas depois, em um laboratório particular, acabou diagnosticada com a doença. “Nem sequer mediram minha febre na UBS, um descaso total”, reclama. A Secretaria Municipal de Saúde não comenta o caso, apenas mais um exemplo do “apagão de exames” que acometeu a cidade neste início de ano.

A ômicron, mais transmissível do que as outras cepas, levou a capital a superar o número de casos do pico da pandemia — chegou a 6 928 registros no dia 13, superior ao antigo recorde de 6 801 em 17 de março de 2021. Não fosse a falta de testes, os dados seriam mais altos.

+“Não sou malvado, sou realista”, diz Jacquin no Roda Viva

A escassez obrigou hospitais e laboratórios a priorizar quem pode ou não fazer o exame. Diversos serviços só atendem grupos prioritários ou casos graves. É a opção da Rede D’Or, que administra, entre outros, o Vila Nova Star e o São Luiz. Desde o dia 12, os testes de Covid são feitos apenas em pacientes com indicação clínica, internados ou profissionais de saúde. Nas unidades de pronto atendimento do Albert Einstein, testes RT-PCR só são aplicados em pacientes mais graves, após avaliação médica. No Sírio-Libanês, os resultados têm demorado até 72 horas, o triplo do prazo normal, de 24 horas.

+5 filmes e séries de Gaspard Ulliel, ator francês que morreu aos 37 anos

A cena é parecida nos laboratórios e farmácias. Na rede de laboratórios Hermes Pardini, com sete unidades na capital, a demanda pelo RT-PCR aumentou 187%. (Chama atenção a taxa de resultados positivos: 54,2%.) Na unidade de Pinheiros do Labi, que atende por ordem de chegada, a previsão era de três horas e meia de espera no início do atendimento (às 7 horas) do dia 14, com longa fila antes da abertura das portas. A alta levou a rede CDB a destinar uma unidade inteira para testes de Covid, a da Ana Rosa. Nas farmácias RD-RaiaDrogasil, o agendamento está suspenso devido aos estoques zerados e sem prazo para a reposição. Entre 3 e 9 de janeiro, as 1 489 farmácias que fazem testes no estado de São Paulo aplicaram 145 468 exames, segundo dados da Abrafarma. Do total, 46 100 (ou 32%) deram positivo.

Foto da fachada de um laboratório e SP.
Unidade dedicada só para suspeitas de Covid: disparada na demanda surpreendeu o setor. (Laboratório CDB/Divulgação)

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Houvesse exames em abundância, seria mais fácil conter a doença, dizem os especialistas. “Se você não sabe que está positivo, pode sair e infectar outras pessoas”, diz o epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas. A disseminação do vírus afetou serviços e o comércio. Nada menos que 620 agências bancárias da Grande São Paulo fecharam as portas, com 1 500 funcionários afastados. Calcula-se que um em cada cinco funcionários do comércio testou positivo para Covid-19. “Na dificuldade de fazer o teste, a pessoa suspeita é afastada”, diz o empresário Michel Zakka, da rede Preçolândia, que teve um desfalque de 20% nas lojas.

O governo João Doria (PSDB) prometeu a compra de 3 milhões de testes rápidos. Ricardo Nunes (MDB), ante a uma ameaça de greve de médicos nas UBSs, anunciou que vai contratar 700 profissionais para reforçar a rede municipal.

+Lima Duarte repreende Regina Duarte: “Não pode acabar assim”

O boom dos exames não tinha sido previsto pela indústria, segundo Carlos Eduardo Gouvêa, presidente da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial. Conforme a vacinação avançou, casos e hospitalizações se reduziram, a demanda de testes se retraiu, dando a entender que a Covid estava nos dias finais. “A população teve a mesma impressão e baixou a guarda. Tivemos a tempestade perfeita”, ele diz. A demanda mundial agravou a situação, além de voos cancelados que prejudicaram as importações. As empresas devem receber 13 milhões de testes até o fim do mês, o que deve solucionar a questão.

Pessoas esperam na rua em fila para fazer testes de Covid-19.
Fila em laboratório de Pinheiros: espera de três horas e meia. (Pedro Carvalho/Veja SP)

Gouvêa acredita que a liberação dos autotestes, aplicados pelos próprios usuários, teria sido uma forma de aliviar a pressão nas unidades de saúde. A Anvisa, porém, negou a permissão. O autoteste também é aprovado pelo sanitarista Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa. “É um pouco menos preciso, mas tem nível de exatidão alto”, ele afirma. Sobre a necessidade de notificar os resultados positivos, Vecina lembra o exemplo da Inglaterra, onde existe um QR code para informar as autoridades de saúde.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 26 de janeiro de 2022, edição nº 2773

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.