Continua após publicidade

Procurador é afastado e ficará sem salário após espancar chefe em Registro

Com socos e chutes, ele agrediu colega de trabalho após ser alvo de processo disciplinar devido ao mau comportamento

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
22 jun 2022, 13h04

A Prefeitura de Registro, no interior do estado de São Paulo, decidiu afastar, por 30 dias, o procurador Demétrius Oliveira Macedo, de 34 anos, que espancou a sua chefe, a procuradora-geral da cidade, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos.

+Homem esfaqueia pessoas em ônibus em Piracicaba; três morrem

Ele também não terá direito a receber o seu salário pelo período em que ficar fora de suas funções.

Confira abaixo o video no momento em que ele agride a colega. Atenção: imagens fortes.

Continua após a publicidade

O covarde espancamento aconteceu perto das 17h da última segunda-feira (20) dentro do local onde eles trabalhavam, na sede da prefeitura de Registro. Imagens da agressão mostram Demétrius xingando e desferindo vários socos contra a colega e inclusive chega a derrubá-la no chão. Mesmo caída, Gabriela continua sendo agredida com pontapés. Ao levantar, leva mais um soco no olho. Outras colegas da procuradora-geral tentam conter Demétrius, sem sucesso. Com a ajuda de colegas, ela consegue se trancar  numa sala e Demétrius acaba sendo contido por dois homens que ouviram os gritos.

Em depoimento à DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), Gabriela afirmou que Demétrius vinha apresentando atitude grosseira contra uma funcionária da unidade. Ao ser questionado a respeito, no dia 30 de maio, ele foi ríspido na resposta e a expulsou da sala.

+Pessoas com mais de 45 anos começam a receber a 4ª dose da vacina

A procuradora-geral pediu à Secretaria de Administração, responsável por cuidar da situação dos funcionários públicos, a abertura de processo disciplinar para averiguar  o comportamento do colega. O  nome dos integrantes da comissão responsável pelo processo foram divulgados no Diário Oficial da cidade de Registro na última segunda. Gabriela disse em seu depoimento à polícia que este teria sido o motivo que pode ter justificado as agressões do colega.

Continua após a publicidade

Após a agressão, o procurador se apresentou espontaneamente à polícia e confessou ter espancado a colega. Mesmo assim, saiu pela porta da frente, já que o delegado responsável não julgou ser necessária nenhuma medida a respeito além do registro da ocorrência.

Gabriela tentará na Justiça uma medida protetiva. Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o prefeito Nilton Hirota (PSDB) ser totalmente contra qualquer tipo de violência. “Venho manifestar toda a minha indignação contra o ato execrável e abominável”, afirmou.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa do procurador.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.