Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Maior plataforma de recrutamento do país usa inteligência artificial

Desenvolvida em dois meses e meio e batizada de Gaia, plataforma avalia os currículos de acordo com o perfil das empresas

Por Fernanda Campos Almeida Atualizado em 20 ago 2020, 18h41 - Publicado em 21 ago 2020, 06h00

Criar robôs que analisam milhares de currículos em questão de segundos de forma não tendenciosa foi o plano de Mariana Dias, 33, CEO da Gupy, e sua diretora de operações, Bruna Guimarães, 35, depois de deixarem o RH da Ambev. Criada em 2015 em um escritório improvisado dentro de casa, a startup hoje é a maior plataforma de recrutamento do Brasil, com mais de 10 milhões de usuários. “O processo de contratação estava engessado. A experiência de quem é recrutado é horrível, cheia de preconceitos, e ninguém tem retorno de nada”, conta Mariana.

Sem conhecimento em computação, as mulheres aliaram a experiência com processos seletivos com a parte técnica de Robson Ventura, 32, diretor de tecnologia, e a habilidade de criação de Guilherme Dias, 29, diretor de marketing. Ventura desenvolveu sozinho a primeira versão da inteligência artificial em dois meses e meio, e Dias a batizou de Gaia.

“Ela pode dar mais importância ao tempo de experiência profissional ou ao conhecimento acadêmico na hora da decisão.”

Os algoritmos da Gaia leem os currículos e entendem o que significam por meio do processamento de linguagem natural (PLN), tecnologia que faz com que computadores interpretem a linguagem humana. Por meio dessa leitura, a ferramenta sabe se o candidato é o mais adequado, dependendo da maneira como escreve o currículo. É disponibilizada uma biblioteca digital com 5 bilhões de palavras com frases. “Para a máquina entender o significado da palavra, temos de apresentá-la àquele termo dentro de contextos diversos”, explica Ventura. A tecnologia reconhece mais de 100 características e leva em consideração o perfil de contratação da empresa e da área. “Ela pode dar mais importância ao tempo de experiência profissional ou ao conhecimento acadêmico na hora da decisão.”

O diretor de tecnologia aprimorou a ferramenta com a base de dados de milhares de currículos do primeiro cliente, a Kraft Heinz, da famosa marca de ketchup, que apostou na ideia dos quatro fundadores antes mesmo da Gaia ser criada. Com o repertório, foi possível treinar a inteligência a fazer o processo de seleção por meio de machine learning (aprendizado de máquina), ou seja, quanto mais candidatos a ferramenta recebe, mais inteligente ela fica. De acordo com ele, são mais de vinte alterações no sistema por dia.

Uso de radicais evita excesso de contratações masculinas ou femininas

Continua após a publicidade

O desafio é evitar que a Gaia crie vieses na contratação. Em uma seleção em que a maioria é homem, a inteligência artificial tende a eleger mais candidatos do sexo masculino. Para isso, Ventura ensina a ferramenta a procurar profissões por meio de radicais, como “enfermeir” ou “programad”, sem especificar gêneros.

O empreendimento tem assinaturas anuais, que vão de 1.000 a 100.000 reais por mês, dependendo do tamanho da empresa e da complexidade da contratação. Não há limite para o número de gestores que acessam a plataforma ou de contratações. Atualmente, são 600 clientes usando a Gaia, entre eles a própria Ambev, e 6 milhões de novas candidaturas por mês. Desde janeiro, a empresa cresceu 54% e teve recorde de contratações em junho — 25.000 cargos — por causa do aumento da procura na área da saúde e de logística na quarentena.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

800 vagas preenchidas entre maio e agosto

Para ajudar os hospitais em meio à crise, os fundadores criaram o programa Contratando pela Saúde em abril, que oferece os recursos da Gaia de graça para seis hospitais do estado de São Paulo. No Santa Marcelina, em Itaquera, na Zona Leste, a procura por profissionais dobrou nos últimos meses. Por ser um dos bairros com maior número de mortes pela Covid-19, as contratações eram urgentes. Para piorar, a concorrência havia crescido, já que hospitais de campanha ofereciam salários acima da média do mercado. Entre maio e agosto foram 800 vagas preenchidas, de ajudantes de limpeza a enfermeiros.

“A contratação desses profissionais foi fundamental para abrir mais leitos de UTI e de enfermaria em uma região carente de recursos”, explica Luiz Miradouro, 59, diretor institucional de gestão de pessoas do Santa Marcelina. Do total de inscritos, a ferramenta mostrou índice de 52% de aprovação de candidatos no primeiro semestre de 2020, ante 24% do processo manual feito em 2019. “Gastamos nosso tempo com quem tivesse, de fato, nosso perfil”, conta a coordenadora de RH do mesmo hospital, Jani Dias, 39. “A Gaia mostrou os anúncios em sites parceiros que nós, uma rede filantrópica, não podíamos pagar.” Para futuras seleções mais assertivas, a plataforma ainda mapeia de quais regiões da cidade e de quais sites de vagas veio a maioria dos candidatos.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 26 de agosto de 2020, edição nº 2701.  

Continua após a publicidade

Publicidade