Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Mahmundi fala após acusação de racismo e assédio contra a Loja Três

A cantora gravou um videoclipe com a etiqueta que foi acusada de constranger funcionários e de negar itens básicos como comida e papel higiênico

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 20 Maio 2019, 17h06 - Publicado em 20 Maio 2019, 16h00

A cantora Mahmundi usou suas redes sociais nesta segunda (20) para se posicionar em relação às acusações de que a Loja Três, com duas unidades na capital paulista e mais duas no Rio, estaria envolvida em diversos casos de assédio e discriminação contra seus funcionários. O caso foi revelado em reportagem do portal UOL.

Mahmundi afirmou que ficou triste e desmotivada ao saber da denúncia. Em janeiro, ela lançou um videoclipe chamado Tempo pra Amar no qual é acompanhada por um coral de funcionárias da marca. A própria gravação foi alvo de denúncias: trabalhadoras da etiqueta afirmam que ficaram por horas sem comer no set de filmagem. “Quando eu tinha 18 anos e sofria constantes humilhações numa famosa rede de fast-food, nunca fui capaz de tentar mudar aquele panorama. Que bom que essas mulheres tiveram coragem. Só fortalece meu amor e admiração por elas” , escreveu.

Confira a postagem:

https://www.instagram.com/p/BxsPsUunaCN/

Entenda o caso

De acordo com a reportagem, a Loja Três teria orientado uma funcionária a cortar as tranças no cabelo. Há também relatos de que a dona da etiqueta, Guta Bion, costumava fazer comentários e piadas de cunho racista, além de duvidar da índole de suas funcionárias negras.

Continua após a publicidade

Uma ex-vendedora diz ter sido alvo de gordofobia e outras mulheres que trabalhavam na confecção de peças descreveram uma infraestrutura precária: faltava papel higiênico em banheiros (as costureiras traziam de casa), além de restrição para acessar a cozinha, o único cômodo onde havia filtro de água.

Por conta de acusações como essa, o Ministério Público do Trabalho do Rio tenta notificar a marca há dez meses, sem sucesso. Procurada por VEJA SÃO PAULO, a Loja Três afirmou por meio de nota ter interesse em falar com a cantora Mahmundi para esclarecer o caso. “Ainda estamos tentando compreender porque até mesmo este projeto está sendo alvo de denúncias, parte delas anônimas”, diz o comunicado.

Veja o pronunciamento na íntegra:

“Respeitamos muito a cantora Mahmundi e nos colocamos à disposição dela para mostrar nossos valores e como funcionam na prática. Mahmundi afirma que ela e nossas funcionárias fizeram um projeto e uma noite muito especial. Temos muitos feedbacks de nossos funcionários que confirmam isso. Ainda estamos tentando compreender porque até mesmo este projeto está sendo alvo de denúncias, parte delas anônimas.”

Continua após a publicidade
Publicidade