Continua após publicidade

‘Ele não era o monstro que estão falando’, diz irmão de médico que baleou urologista

José Edmans Forti afirmou à VEJA SÃO PAULO que irmão vinha sofrendo com muitas dores. Polícia apura se crime foi motivado por vingança

Por Marcus Oliveira
Atualizado em 5 dez 2016, 14h05 - Publicado em 16 set 2014, 19h50

O engenheiro José Edmans Forti afirmou à VEJA SÃO PAULO que seu irmão, Daniel Edmans Forti, “não é o monstro que estão dizendo”. Em depoimento prestado nesta terça (16), José contou que não tinha muito contato com o irmão, ex-médico do trabalho que invadiu o consultório de Anuar Ibrahim Mitre na tarde de segunda-feira (15) e disparou contra o urologista, atingido-o na cabeça, no braço e no ombro.

Após cirurgia de cinco horas, médico baleado está em coma induzido

Em entrevista, José afirmou que o atirador morou por alguns anos no Rio de Janeiro e chegou a exercer a função de médico do trabalho na cidade. “Não sei detalhes sobre a vida dele. Mas ele estava sofrendo, com muita dor”, disse. A polícia investiga se o crime foi motivado por vingança.

Solteiro e sem filhos, Daniel sofreu um acidente de moto no Rio há cerca de dois anos e teve uma lesão na bacia. Por isso, tinha dificuldades para se locomover, fazendo uso de muletas eventualmente. Devido a complicações na recuperação, ele precisou passar por um procedimento cirúrgico na uretra. Foi quando veio para São Paulo a fim de se tratar com Mitre. Daniel morava com a mãe, que deve prestar depoimento nos próximos dias.

De acordo com policiais do 4º DP (Consolação), seis depoimentos foram colhidos até o momento, entre eles o de um amigo do ex-médico –que não quis se identicar. Ele afirmou que Daniel se queixava de uma operação malsucedida e não estava satisfeito com o resultado do procedimento realizado por Mitre.

Continua após a publicidade

Mulher é morta durante assalto na frente dos filhos na Zona Oeste

Em depoimento, a secretária do médico baleado disse que o autor dos disparos chegou ao consultório e se identificou como um paciente. Após a saída de uma pessoa que estava na sala de Mitre, Daniel entrou, gritou um palavrão e atirou. Após atingir o urologista, ele se matou com um tiro no queixo.

Segundo o irmão, Daniel cancelou o registro no Conselho Regional de Medicina do Rio porque não estava trabalhando e não tinha como manter o cadastro no órgão. Mitre está em coma induzido na UTI do Hospital Sírio-Libanês.

Confira as últimas notícias

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.