Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Descubra quem foi Luís Carlos Berrini

O engenheiro teve grande importância para a construção de diversas vias da cidade

Por Alice Padilha Atualizado em 8 nov 2019, 10h17 - Publicado em 8 nov 2019, 06h00

O engenheiro Luís Carlos Berrini (1884-1949), nascido em Petrópolis, no Rio de Janeiro, teve seu nome dado a uma das principais avenidas da cidade. A partir de 1919, projetou algumas obras no Estado de São Paulo, como o asilo Nossa Senhora da Candelária, em Itu. Em 1927, tornou-se avaliador oficial de terrenos e imóveis do Banco do Estado de São Paulo e especializou-se nessa área, na qual construiu uma grande reputação. Escreveu e publicou artigos sobre análise vetorial, agrupados no livro Análise Vetorial Elementar, de 1948.

Casou-se com Elvira de Almeida Prado Berrini e com ela teve quatro filhos, entre eles Luís Carlos Berrini Jr., que seguiu os passos do pai: foi engenheiro, teve larga participação no planejamento de linhas do Metrô, e também sistematizou, para o então prefeito Prestes Maia, um método científico de avaliação de imóveis, sem o qual as desapropriações necessárias para a construção da avenida Nove de Julho se mostrariam inviáveis. A via que recebeu o nome de seu pai, na década de 70, levantou polêmica: sua construção foi tachada de “ligar nada a lugar nenhum”. Hoje, o local na Zona sul apresenta mau uso do espaço, trânsito intenso e perda gradativa de relevância.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 13 de novembro de 2019, edição nº 2660.

Publicidade