Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Doria nega “salve geral” de traficantes para saída do fluxo da Cracolândia

Ao contrário do que dizem dependentes químicos, moradores e até policiais, governador afirma não haver ordem de liderança do crime

Por Clayton Freitas Atualizado em 23 mar 2022, 18h08 - Publicado em 23 mar 2022, 16h31

Ao comentar o esvaziamento das ruas da chamada Cracolândia no último final de semana, o governador João Doria (PSDB), afirmou nesta quarta-feira (23) não ter ocorrido nenhum “salve geral” do tráfico ordenando que as pessoas saíssem, conforme relatam dependentes químicos, moradores, comerciantes e alguns policiais que atuam na região.

+Cracolândia esvazia e usuários de drogas lotam praça Princesa Isabel

“Não há informação oficial de que tenha havido manifestação de qualquer liderança de qualquer facção criminosa”, afirmou, ressaltando que o setor de inteligência da Polícia Civil não confirmou essa informação.

Praça Princesa Isabel
Número de pessoas que ocupam a praça Princesa Isabel aumentou muito nos últimos dias, segundo moradores da região Clayton Freitas/Veja SP

Doria respondeu a uma pergunta a respeito de uma declaração atribuída ao delegado Roberto Monteiro Júnior, titular da 1ª Delegacia Seccional do Decap (Departamento de Polícia Judiciária da Capital), responsável pela região.

+Filha do cantor Belchior é condenada a 9 anos de prisão por homicídio

O agente foi um dos vários entrevistados ouvidos pela Vejinha em reportagem publicada na terça-feira que revelou detalhes do que vem ocorrendo na chamada Nova Luz. Parte dos dependentes químicos e traficantes que atuavam nas imediações da rua Helvétia e praça Júlio Prestes migrou para a praça Princesa Isabel, lotando o espaço que já era ocupado por pessoas em situação de rua. Os demais se espalharam pela cidade. Confira neste link a reportagem completa.

Já as ruas da “antiga” Cracolândia ficaram vazias, sendo ocupadas apenas por viaturas da GCM (Guarda Civil Metropolitana) e PM (Polícia Militar), além de equipes de zeladoria que estavam reparando calçadas e fazendo outros serviços.

Continua após a publicidade

Rua Dino Bueno, na antiga Cracolândia, vazia
Rua Dino Bueno, uma das vias onde dependentes químicos faziam o chamado “fluxo” na “antiga” Cracolândia, vazia Clayton Freitas/Veja SP

A proposta é a de liberar o local para que ônibus e veículos voltem a circulam na região.

Questionado ainda na terça-feira por VEJA São Paulo, o próprio policial não confirmou o “salve geral”, embora essa seja uma informação sustentada até por agentes das forças públicas de segurança que conhecem bem a área.

Alinhado com o discurso de outras autoridades públicas da Prefeitura de São Paulo e do próprio governo estadual, Doria afirma que a saída foi resultado do combate ao tráfico, feito pela GCM e polícias Civil e Militar. “Houve uma dispersão daquelas pessoas que infelizmente são vítimas do crack e são consumidoras de drogas”, diz.

Especialistas rechaçam que esse seja o real motivo.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês