Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Cury, acusado de assédio, cita Huck em defesa e apresentador se manifesta

Deputado, filmado passando a mão na região dos seios de Isa Penna, mencionou possível candidatura para falar sobre punição

Por Redação VEJA São Paulo 6 jan 2021, 17h53

O deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), flagrado no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) passando a mão na região dos seios da parlamentar Isa Penna (PSOL), citou o apresentador Luciano Huck na sua defesa sobre o caso. O apresentador usou as redes sociais para se posicionar.

A comissão de ética do Cidadania abriu um processo para investigar o episódio, que ocorreu em dezembro. Ele está afastado de suas funções parlamentares desde então. O deputado, na peça de defesa, cita Huck e sua possível candidatura à presidência da República como um motivo para a sua condenação. O caso foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

“Nada justifica (nem mesmo a eventual candidatura pelo Cidadania de Luciano Huck à presidência da República) o desrespeito da Constituição da República e das regras procedimentais do código de ética por parte do próprio partido e de seu presidente nacional, Roberto Freire, prejulgando e prejudicando as regras de competência”, escreveu a defesa de Cury.

“Aos assediadores, o rigor da lei. E o repúdio público. A luta das mulheres por igualdade é uma luta de todos nós. É uma questão de toda sociedade, muito além das disputas partidárias, crenças ou ideologias”, disse Huck. Após a repercussão do caso, a deputada Isa Penna voltou a falar sobre o episódio. “Tenho certeza que Hulk também não quer seu nome associado à um assédio”, disse ela pelo Twitter.

Além do julgamento na comissão do próprio partido, Cury também será julgado pelo Conselho de Ética da Alesp: Isa entrou com um pedido de cassação do mandato do parlamentar. A primeira sessão para definir as medidas que serão adotadas ocorre no dia 1º de fevereiro.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade