Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como fazíamos sem banco 24 horas?

Por Sara Duarte Atualizado em 5 dez 2016, 19h07 - Publicado em 19 out 2009, 12h16

Muito antes da criação do caixa eletrônico era possível levar moedas, notas e cheques ao banco após o fim do expediente bancário. Para isso existiam os “cofres de depósitos nocturnos”. O bancário aposentado Nelson Silva, 70 anos, lembra que a chave do equipamento costumava ser dada a comerciantes paulistanos: “Era gente que trabalhava até tarde e deixava pacotes com a renda do dia lá, para não correr o risco de ser assaltada”. Esses avós dos bancos 24 horas foram desativados por volta da década de 60. Na Rua Quinze de Novembro, no centro, ainda é possível ver pelo menos cinco deles, como o do extinto Banco do Commércio e Indústria de S. Paulo (Comind).

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês