Clique e assine por apenas 6,90/mês

3 perguntas para… Diego Boneta

Ator mexicano fala da experiência de filmar "Rock of Ages" ao lado de estrelas como Tom Cruise e Catherine Zeta-Jones

Por Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em 5 dez 2016, 16h56 - Publicado em 25 ago 2012, 00h31

Ator mexicano de 21 anos, Diego Boneta ficou conhecido pela novelinha “Rebelde”, gravou discos (um deles em português) e, ao lado de astros como Tom Cruise e Alec Baldwin, protagoniza “Rock of Ages — O Filme”, musical que marca sua estreia no cinema americano.

+ Dez atores mexicanos que se deram bem em Hollywood

+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

VEJA SÃO PAULO — Qual foi sua reação ao saber que tinha sido escolhido para o papel principal?

Diego Boneta — Eram milhares de rapazes competindo por apenas uma vaga e fiz os testes como todos os outros. Foram várias etapas, sempre muito tensas. Antes de o diretor Adam Shankman me telefonar dizendo que eu tinha sido o escolhido, fiquei três dias com enxaqueca. A dor desapareceu em segundos, liguei para os meus pais e fomos comemorar bebendo muita tequila. Em meu primeiro filme, estava ao lado de astros como Tom Cruise, Alec Baldwin e Catherine Zeta-Jones. Foi um sonho que virou realidade.

VEJA SÃO PAULO — O que você conhece do Brasil?

Diego Boneta — Eu falo um pouco da sua língua porque tive de aprendê-la para gravar um disco em português. Estive no Brasil em 2006 e 2007, durante um tour do grupo RBD. Ficamos cerca de cinco meses rodando o país: Manaus, Belém, Fortaleza, Salvador, Vitória… No Rio, cantamos no Maracanã e, em São Paulo, no Estádio do Morumbi. O Brasil é um lugar muito especial. Amei o povo, ia às churrascarias todos os dias, adorei as garotas e ouvi muita música brasileira, como Lulu Santos, Roberto Carlos e Caetano Veloso. De cinema, conheço os filmes do diretor Fernando Meirelles, com quem gostaria muito de trabalhar.

VEJA SÃO PAULO — Você não era nascido em 1987, quando se passa o filme. A música daquela época lhe agrada?

Diego Boneta — Desde meus 8 anos, já escutava bandas como U2, Police e Queen — estes também eram os artistas que meus pais ouviam. Ou seja: cantar no filme hits como “Don’t Stop Believin’” foi incrível. No meu iPod, tenho os grupos da década de 80, além de cantores atuais, como os indies Gotye e Sia. Também sou muito fã do Coldplay. Uns dias atrás fui pela primeira vez a um show deles e achei extraordinário.

Publicidade