Clique e assine por apenas 5,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

O sexo gay do ator “cis”

Protagonista de "Meio Irmão", Diego Avelino fala sobre as cenas quentes com Dico Oliveira

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 19 mar 2020, 21h11 - Publicado em 13 mar 2020, 06h00

O ator Diego Avelino, 32, não conheceu o pai e foi criado pela mãe, empregada doméstica, no Campo Limpo. Sua trajetória se assemelha à de Jorge, protagonista interpretado por ele em Meio Irmão, filme que estreou neste mês e que retrata os paulistanos da periferia. Avelino também já passou por uma dura da polícia por causa de racismo. “Em 2009, na primeira vez em que fui ao câmpus da minha faculdade, a Escola de Arte Dramática, na USP, acharam que eu era um criminoso”, lembra.

Mas a maior diferença entre ele e o personagem é a orientação sexual. No filme, Jorge se percebe gay ao transar (loucamente) com Rui (Dico Oliveira). “Foi a primeira vez que beijei um homem e, mais do que me preparar psicologicamente para isso, precisei alertar minha namorada na época”, conta. “No fim, foi tudo bem técnico, uma coreografia. E minha parceira não sentiu ciúme, disse que preferia que eu beijasse um homem a uma mulher.” Hoje ele está solteiro.

Diego Avelino e seu novo visual Divulgação/Veja SP

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 18 de março de 2020, edição nº 2678.

Publicidade