Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

“Foi divertido ver como os homens são vaidosos”

Repórter visual da Veja São Paulo, Ana Lúcia Zambon relembra experiência como jurada da capa que elegeu os "partidões" da cidade

Por Humberto Abdo Atualizado em 25 set 2020, 13h03 - Publicado em 25 set 2020, 12h57

Repórter visual da Vejinha nos anos 1990, Ana Lúcia Zambon, 45, produzia fotos e ensaios para a revista. “Minha rotina era toda terça dormir após uma da manhã porque tinha foto ou fechamento de capa, mas eu adorava.” Ana também foi jurada na capa que elegeu os maiores “partidões” da cidade. “Começaram a comentar antes de publicarmos. Quando eu entrava nos restaurantes, me perguntavam ‘você está votando? Em quem?’ Eu votei no André Skaf, ele foi capa e as pessoas que não entraram na lista ficaram muito chateadas”, conta. “Os que se julgavam partidões vinham questionar ‘você não votou em mim?’ Foi divertido ver como os homens são vaidosos.”

Ana se lembra especialmente da produção de uma linha do tempo sobre telefones. “Estava tão empolgada que desmontei o Museu do Telefone, transportamos tudo numa Kombi… A gente fazia essas operações”, diverte-se. “Sinto falta da redação, porque era cheia e fervilhante. Imagina um único lugar recebendo as novidades da cidade o tempo todo… Era a home do UOL comentada, analisada e compartilhada. Não tinha e-mail, era telefonema e quatro máquinas de fax. A pessoa desligava o telefone e anunciava: ‘para tudo, você não sabe o que aconteceu!’”

 

Publicidade