Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Alfaiate inaugura novo ateliê com fumódromo de charutos na Zona Sul de SP

Aprendiz de Ricardo Almeida, Fabrizio Allur começou a carreira aos 16 anos e hoje vende ternos por até 80 000 reais na Vila Nova Conceição

Por Humberto Abdo Atualizado em 19 jul 2021, 14h47 - Publicado em 7 Maio 2021, 06h00

Alfaiate da elite paulistana, Fabrizio Allur, 38, acaba de se mudar para um ateliê três vezes maior na Vila Nova Conceição, região onde trabalha há onze anos. “Queria um lugar que acolhesse os clientes e tivesse mais privacidade”, resume. O espaço de 300 metros quadrados inclui um fumódromo de charutos, onde padrinhos e advogados podem aguardar as provas de noivos e clientes, por exemplo, e uma grande passarela escura que leva à fábrica de dez funcionários.

Com as adaptações da pandemia, nem todos os fregueses têm visitado a novidade e as entregas feitas por helicóptero para clientes do interior também foram interrompidas. “Eu me acostumei a atender por Facetime e por fotos, mas preciso ensinar a eles como tirar suas próprias medidas”, conta.

O alfaiate Fabrizio Allur posa sentado em banco de madeira com caixa de charutos na sua frente. Veste calça bege e paletó azul-marinho.
Alfaiate Fabrizio Allur agora recebe seus clientes no novo ateliê de 300 metros quadrados, na Vila Nova Conceição, com espaço para fumódromo de charutos. João Passos/Divulgação

Com ternos que custam de 5 000 a 80 000 reais, Allur viu os pedidos diminuírem nos últimos meses, mas jaquetas com corte de alfaiataria e calças com tecido confortável passaram a ser sucesso de vendas. “Muitos começaram a pedir tecidos leves, que não amassam, e hoje trabalho com uma empresa inglesa que fornece um tecido impermeável e antibactericida.” Nesse material, um terno completo chega a custar 11 000 reais.

De Parelheiros, o paulistano começou a trabalhar no ateliê de Ricardo Almeida e seguiu os passos do irmão mais velho, que era gerente e faleceu quando Fabrizio tinha 18 anos. “Entrei de cabeça, fiz cursos e, anos mais tarde, abri meu próprio negócio”, relembra. Morador da região de Santo Amaro, hoje seu único hobby é aproveitar o tempo livre com a esposa e as duas filhas pequenas. “Tudo o que consegui foi pela alfaiataria.”

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 12 de maio de 2021, edição nº 2737.

Continua após a publicidade
Publicidade