Perícia revela laudo sobre vídeo íntimo atribuído a João Doria

Análise das imagens mostra que rosto de tucano foi inserido digitalmente sobre a face de outro homem

Uma análise realizada pela perita criminal e advogada Roselle Sóglio aponta que o vídeo íntimo de um homem com pelo menos cinco mulheres, divulgado amplamente nas redes sociais na terça-feira (23), foi manipulado digitalmente para mostrar o rosto de João Doria, candidato ao governo do estado pelo PSDB, sobre a face de uma outra pessoa. O laudo foi produzido a pedido de VEJA SÃO PAULO.

Logo em uma análise superficial, alguns detalhes chamaram a atenção da perita. Em primeiro lugar, o homem deitado na cama olha continuamente na mesma direção, sem interagir com as mulheres. “Ele parece artificial, não esbanja nenhuma reação e fica estático na maior parte do tempo, o que não seria o caso num momento como aquele”, diz.

Outro ponto que despertou seu interesse foi a iluminação direcionada do espaço, que teria o propósito de esconder o rosto da pessoa. Segundo a especialista, a montagem não foi realizada sobre um vídeo qualquer da internet. Ou seja, as pessoas estavam naquele quarto com o intuito de gravar exatamente aquelas imagens. “O cenário foi montado de forma a colaborar com as alterações digitais que seriam realizadas depois”, diz.

Com o uso de um software forense de origem canadense, Roselle concluiu que o responsável pela manipulação criou uma espécie de “máscara digital” de João Doria, colando-a sobre as imagens reais do “ator” do vídeo. Em programas como o Adobe Premiere Pro, é possível inserir traços individuais de uma pessoa, como olheiras, papadas e contornos, um a um”, diz.

Outro sinal que alertou a perita foi o fato de que a imagem utilizada de João Doria seria uma mais antiga que a atual. “Por causa de procedimentos estéticos realizados em um passado recente, hoje ele está com um nariz mais fino do que o mostrado no vídeo. Esse da gravação é mais parecido com o da época da campanha para prefeito”, afirma.

Como as intervenções no computador deixam marcas nos vídeos originais, o software forense detectou que há uma espécie de mancha no pescoço do homem. Além disso, em certos momentos, uma das mãos desaparece parcialmente, e o lábio, que deveria se mexer, fica estático.

A manipulação das cenas também seria perceptível quando uma das mulheres joga uma calcinha sobre a cama. “Em um vídeo normal, espera-se um movimento contínuo. Neste caso, claramente houve um corte”, diz Roselle Sóglio. A advogada e perita criminal atou em casos de grande repercussão nos últimos anos, como os de Isabella Nardoni (menina morta pelo pai e a madrasta), Elize Matsunaga (esquartejou o marido) e Marcelo Pesseguini (menino que teria matado os pais policiais e outros familiares).

Confirma abaixo a íntegra da conclusão da perícia:

    • “As imagens sofreram interpolações sequenciais na linha do tempo de exposição, o que caracteriza fraude imagética.
    • O vídeo objeto da análise apresenta máscaras sobrepostas sobre o rosto de outra pessoa, visualizando-se ainda movimentos disruptivos de pescoço, posicionamento ocular e montagens abruptas durante a passagem dos frames;
    • Observou-se ainda mudança de contraste e nitidez sutil na iluminação do cenário;
    • Anatomicamente, percebe-se uma mudança na sombra do arco orbital do personagem do sexo masculino, bem como no depressor da porção esquerda do lábio da referida pessoa;
    • A análise ainda revelou que, o flanco esquerdo do rosto do homem, mais especificamente na região labial, apresenta discrepância quanto a sua estaticidade, mostrando-se uma dinâmica artificial.
    • Observou-se na sequência em apreço uma derivação ocular do personagem na cena de movimento, o que evidencia manipulação de filtros específicos para reconstrução do rosto.
    • Foram constatados também curvas e granulados pesados na estética do vídeo, bem como manipulação do cenário no que se refere à iluminação para que esta minimize a possibilidade de constatação das alterações introduzidas e do posicionamento da câmera e do personagem do sexo masculino.

    Apesar de indicar que o resultado da perícia é “100% conclusivo”, a profissional afirma que o laudo está sujeito a uma “reanálise”, caso surjam fatos novos que impactem suas conclusões. Um exemplo disso seria o aparecimento do arquivo original e do equipamento usado para a gravação do vídeo em questão.

    No dia da divulgação das imagens, João Doria gravou um vídeo ao lado de sua mulher, Bia Doria, em que desmente a sua presença na orgia. Nesta quarta (24), procurado por VEJA SÃO PAULO para comentar o resultado da perícia, o candidato afirmou: “Meu completo repúdio a esse método de fazer campanhas com fake news e manipulação de vídeos. É uma vergonha que material desse tipo seja usado em uma campanha política”. O político pretende ingressar com uma ação na Justiça Eleitoral para pedir a punição dos responsáveis.

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá,

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s