Clique e assine com até 89% de desconto
Blog do Miguel Por Miguel Barbieri Jr. Fique por dentro das melhores dicas de filmes e séries.

Meus dez filmes preferidos de Almodóvar

Minha paixão por Pedro Almodóvar é antiga. Muito antiga. Talvez, por isso, eu tenha me sentido traído por seu recente e pavoroso filme, a (suposta) comédia Os Amantes Passageiros, em cartaz nos cinemas. Almodóvar sempre foi criativo, ousado, provocador, dono de narrativas hipnóticas e de um deboche ímpar. Nada disso encontra-se em seu 19º longa-metragem. […]

Por Miguel Barbieri Jr. Atualizado em 27 fev 2017, 01h03 - Publicado em 27 jun 2013, 20h56

Pedro Almodóvar: diretor de dezenove longas-metragens

Minha paixão por Pedro Almodóvar é antiga. Muito antiga. Talvez, por isso, eu tenha me sentido traído por seu recente e pavoroso filme, a (suposta) comédia Os Amantes Passageiros, em cartaz nos cinemas. Almodóvar sempre foi criativo, ousado, provocador, dono de narrativas hipnóticas e de um deboche ímpar. Nada disso encontra-se em seu 19º longa-metragem.

Lembro a primeira vez que vi Almodóvar. Em 1986, abri uma videolocadora chamada Over Vídeo. A época era de raros filmes “selados” (como eram chamadas as fitas originais) e muita pirataria. Naquele mesmo ano, apareceu por lá um vendedor me oferecendo algo diferente de tudo o que havia no mercado, segundo declarações do próprio. “Este Almodóvar vai estourar”, enfatizou. E, assim, comprei e levei para casa Matador.

Matador: o primeiro filme que vi de Almodóvar

Virei fã incondicional de Almodóvar assim que terminou o filme e, percorrendo sua filmografia (ainda no livro-bíblia do Leonard Maltin), descobri que o tal Almodóvar tinha quatro longas anteriores. Consegui cópias de Que Fiz Eu Para Merecer Isto? e Maus Hábitos. Mais uma vez, fiquei empolgadíssimo com o cinema do espanhol. De lá para cá, o realizador virou cult e famoso. Jamais perdeu o traço de “enfant terrible” e é por isso que, mesmo cometendo deslizes, ele ainda é um dos melhores em ação.

Cada um tem seus filmes preferidos. Eu, por exemplo, acho que os primeiros de Almodóvar ficaram datados, sobretudo Labirinto de Paixões e Maus Hábitos. Abaixo, listo meus dez prediletos dos dezenove longas-metragens que ele fez.

Matador (1986)
Touradas, sexo, traição, cores berrantes e a morte como símbolo do prazer. Não tinha como ficar indiferente da primeira vez que vi um Almodóvar.

A Lei do Desejo (1987)
Dos anos 80 e 90, é meu preferido. Uma história da paixão e obsessão contada de uma forma extremamente erótica. E tem uma das mais belas sequências iniciais do cinema, ambientada dentro de… um cinema (!!). Veja abaixo uma cena bem bacana do filme.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=lX4Cc_H2_0Q?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988)
Foi o filme que consagrou Almodóvar mundialmente e lhe deu uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Uma comédia rasgada com Carmen Maura em estado de graça e o gaspacho mais fervido da história.

Continua após a publicidade

Ata-me (1990)
Antonio Banderas rapta a atriz vivida por Victoria Abril e mantém uma relação de dependência sexual. Uau!

Antonio Banderas e Victoria Abril em Ata-me

Carne Trêmula (1997)
Almodóvar começava a burilar seus roteiros deixando-os complexos, porém hipnóticos.

Tudo sobre Minha Mãe (1999)
Vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro, traz mais um daqueles roteiros intrincados que vão se abrindo numa história comovente e sentimental. E tem Marisa Paredes, Penélope Cruz e Cecilia Roth dando um show!

Fale com Ela: o filme que deu o Oscar para Almodóvar

Fale com Ela (2002)
O filme deu o Oscar de melhor roteiro original a Almodóvar, que também concorreu na categoria de melhor diretor. Uma história desconcertante sobre a dedicação de um enfermeiro a uma mulher em coma – e não é só isso.

Está gostando deste post? Então curta a página do blog no Facebook e tenha mais informações sobre cinema.

Má Educação (2004)
Almodóvar voltou às origens para contar uma história de amor entre seminaristas. Abandonou, temporariamente, as personagens femininas e, por isso, foi criticado. Bobagem! O filme é um dos grandes (e esquecidos) trabalhos dele.

Volver (2006)
O diretor retomou a temática das mulheres e retornou a La Mancha, sua terra natal, para envolver a plateia numa trama de crimes, perdões e reencontros.

Abraços Partidos: sexo, traições, cinema e as cores de Almodóvar

Abraços Partidos (2009)
Um escritor cego é o ponto de partida para mais um soberbo enredo que envolve dramas familiares, tragédias, infidelidade conjugal e mistério, muito mistério.

Continua após a publicidade
Publicidade