Clique e assine por apenas 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Por onde anda o Pablo do ‘Qual é a Música’?

Ele foi o primeiro a encarnar o personagem, ainda na década de 70

Por Roosevelt Garcia - Atualizado em 20 dez 2017, 21h35 - Publicado em 20 dez 2017, 21h26

No final da década de 70, Silvio Santos introduziu um novo quadro em seu programa dominical, que se tornaria um dos grandes clássicos de sua imensa carreira: o Qual é a Música era uma gincana onde convidados disputavam algumas provas de conhecimentos sobre música brasileira, e em uma dessas provas tornou um personagem conhecido nacionalmente, e ainda reconhecido até hoje, mais de 30 anos após sua última apresentação no programa. Ele é o dublador Pablo, um personagem com o rosto pintado com tintas coloridas e glitter, numa maquiagem diferente a cada programa.

Reprodução/Veja SP

 

Seu nome real é Augusto Jose Rodriguez Carrascal, e ele chegou ao Brasil com a família aos 17 anos de idade, vindo da Espanha. Tanto o nome “Pablo” quanto a ideia para o visual do personagem vieram do próprio Silvio Santos, que o convidou para integrar o Qual é a Música depois que Pablo venceu um concurso de talentos em 1976, dublando Ney Matogrosso.

Nos primeiros programas, Pablo dublava tanto cantores quanto cantoras, daí o seu visual andrógino, mas logo ele ganhou uma colega para fazer as vozes femininas, chamada Virgínia. Durante essa época, ele também era produtor do Show de Calouros, e foi, segundo ele, responsável por colocar a Gretchen no programa, o que fez a carreira dela decolar.

Reprodução/Veja SP

 

Além da sua participação no programa do Silvio, ele também chegou a gravar dois discos cantando em “portunhol”, como ele mesmo diz. Também produziu espetáculos e apresentou um concurso de Miss.

Continua após a publicidade

Sua participação no Qual é a Música durou até 1984, quando ele voltou para a Espanha com a família. Outros artistas assumiram o papel de Pablo no programa, mas nenhum é tão lembrado quanto ele.

No velho continente, ele também adotou o nome artístico Pablo, e fez muitos shows por toda a Europa, principalmente França e Suíça. Além de cantor e dublador, ele foi coreógrafo, bailarino, diretor, manipulador de bonecos e até teve um atelier onde fazia roupas para espetáculos em geral.

Pablo recentemente Reprodução/Veja SP

 

Seu sumiço da TV brasileira gerou o boato de que ele havia morrido em 1996, o que rendeu uma notícia publicada por um jornal de São Paulo. Quando ficou sabendo dessa história, ele tentou voltar ao Brasil para desmentir, mas uma série de tragédias pessoais o impediram. Ele só conseguiu voltar em 2012, quando morava em Londres, e chegou a encontrar seu mentor Silvio Santos e participar de programas de TV.  Hoje, aos 61 anos, ele está de volta à Europa, onde faz shows em boates e cruzeiros. Morando em Lausanne, na Suíça, ele diz que apesar de amar o Brasil, não fica por aqui por medo da violência e falta de segurança. Hoje, perguntaríamos a ele “Pablo, was ist das Lied?”

Relembre uma participação de Pablo no Qual é a Música

 

Continua após a publicidade
Publicidade