Cartunista Belmonte, conhecido a partir da década de 20, é tema de livro

A obra analisa a trajetória do artista e comprova a atualidade de sua visão debochada

O cartunista e chargista paulistano Benedito Carneiro Bastos Barreto, o Belmonte (1896-1947), ficou conhecido como criador do personagem Juca Pato. Símbolo do homem comum, trabalhador e bom pagador de impostos, o tipo, popularizado pela Folha da Noite nas décadas de 30 e 40, denunciava as mazelas da classe média e foi alvo da censura do estado Novo de Getúlio Vargas.

O talento e o senso crítico de Belmonte, no entanto, já ilustravam as páginas de revistas e jornais havia pelo menos dez anos. A sua produção anterior, mais precisamente aquela propagada pelas revistas Careta e Frou-Frou entre 1923 e 1927, estimulou a historiadora e pesquisadora carioca Marissa Gorberg Stambowsky a lançar o livro Belmonte: Caricaturas dos Anos 1920 (editora Fundação Getulio Vargas, 216 páginas, 80 reais).

O livro Belmonte: Caricaturas dos Anos 1920

O livro Belmonte: Caricaturas dos Anos 1920 (Divulgação/Divulgação)

A publicação, que chega às livrarias na quinta-feira (28), analisa a trajetória do artista e comprova a atualidade de sua visão debochada. Também surpreende o leitor ao reunir desenhos sobre temas e situações polêmicas para a época que ainda ecoam fortemente na sociedade atual.

Feminismo e machismo, preconceitos de gênero e raça, obsessão por aparências, desigualdades sociais e conflitos entre patrões e empregados inspiraram os desenhos de Belmonte. “Muita coisa mudou, mas é impressionante verificar que, à beira de 2020, entre avanços e retrocessos, os preconceitos continuam os mesmos”, afirma Marissa. “Essa produção gráfica talvez não desejasse mais que divertir os leitores, mas Belmonte sobressai por ser o mais profícuo de uma geração em que ainda se destacaram J. Carlos e Raul Pederneiras.”

Temas polêmicos: androginia, o desejo de ser uma celebridade e preconceito racial serviam de inspiração

Temas polêmicos: androginia, o desejo de ser uma celebridade e preconceito racial serviam de inspiração (Divulgação/Divulgação)

Belmonte nasceu e cresceu no bairro do Brás, filho de uma brasileira e de um português, que morreu quando o garoto mal completara 2 anos. Pensou em seguir a carreira do pai, que era médico, mas abandonou a faculdade no fim do primeiro ano, entusiasmado com o dom artístico. Ele publicou os primeiros desenhos em 1912 na revista Rio Branco e, em 1921, foi contratado pela recém-inaugurada Folha da Noite, assumindo o pseudônimo que o popularizou. Se Paris vivia a sua belle époque, São Paulo e Rio de Janeiro experimentavam transformações, na tentativa de renegar o passado colonial e adquirir ares cosmopolitas.

Ao transitar pelo circuito boêmio, Belmonte se tornou um observador dos costumes de uma classe alta deslumbrada. Era o cenário ideal para aguçar sua visão irônica e também para travar rivalidade com os escritores da Semana de arte moderna de 1922, que consideravam as charges e caricaturas manifestações de segunda linha. Uma curiosidade é que Belmonte nunca arredou pé de São Paulo, para captar e entender os modismos. “Ele formou repertório graças ao acesso que tinha à mídia impressa e se recusava a viajar até a trabalho para o rio de Janeiro por razões que nunca ficaram claras, talvez fosse por medo mesmo”, conta Marissa.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 27 de novembro de 2019, edição nº 2662.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s