Fui ver qual é a da arena de beisebol indoor

"'Errouuuuuuuuuuu', diria Faustão. Sim, consegui errar a bola estática, e mais de uma vez. Um presságio do que estava por vir"

Até vinte dias atrás, eu não manjava nada de beisebol. O esporte até permeia uma série de filmes americanos (assistam Moneyball, inclusive), mas o nível de complexidade é alto demais para se entender apenas observando. Não é como o nosso futebol, que se resume a chutar a pelota na casinha. Mas vamos lá. Eu sempre soube que a bolinha de couro branca é arremessada pelo jogador de um time e o rebatedor da outra equipe, portando aquele taco, tenta jogar ela longe. No meio de tudo isso, vários outros atletas ocupam o campo com uma luva esquisita marrom.

Isso mudou, ainda que pouco, quando escrevi uma reportagem sobre o recente sucesso dos beisebolistas brasileiros nos Estados Unidos para a Vejinha. Sem me alongar muito em uma explicação que vocês provavelmente não querem ouvir, o jogo funciona mais ou menos assim: o campo de beisebol tem formato losangular e conta com quatro bases. Os times atacam em turnos, tentando completar o circuito de bases para marcar pontos.

O arremessador (pitcher) e mais oito jogadores estão defendendo, enquanto o rebatedor, sozinho, está atacando. O portador da bolinha e o do bastão ficam frente a frente e travam um duelo. Quando o atacante consegue rebater a bola, corre para tentar ocupar uma das bases ou, dependendo da distância que a bola viajar, atravessar o campo todo. Enquanto isso, os defensores buscam recuperar a bolinha e entregá-la para o atleta que está na base que o atacante quer conquistar. Se ele for tocado antes de chegar à base, está eliminado. Veja a disposição dos defensores abaixo:

 (Michael J/Wikimedia Commons)

Passado esse belo momento educativo, avançamos para o que realmente interessa. Fui ao Tatuapé, na Zona Leste, e mais precisamente a uma arena de beisebol indoor, para testar minhas habilidades na modalidade. Comecei tentando rebater. Para quem tem zero experiência com o proceder, as primeiras rebatidas são treinadas em uma bola apoiada num suporte de borracha. O corpo fica paralelo à bola, com as pernas espaçadas e levemente flexionadas. O taco é segurado com as duas mãos e o braço dominante fica levantado, formando um ângulo reto com o corpo.

Quando a bola vem, os membros superiores devem fazer um movimento natural, de um lado para o outro. O pé de trás e o tronco acompanham esse giro, dando força e direção à rebatida. Teoricamente, não é nada do outro mundo. Tento então bater a bolinha parada pela primeira vez. “Errouuuuuuuuuuu”, diria Faustão. Sim, consegui errar a bola estática, e mais de uma vez. Um presságio do que estava por vir.

 (Marcus Mandruzatto/Divulgação)

Fui pegando o jeito e depois de alguns minutos já conseguia acertar a bendita bolinha parada (kkk). Fui então para a área da rebatida, que conta com uma máquina que vai cuspindo bolinhas em alta velocidade na direção do coitado do repórter que quis pagar de atleta. Exageros à parte, fui orientado a começar com bolas mais lentas, que vinham a cerca de 40 quilômetros por hora. Para vocês terem uma ideia, o cubano Aroldis Chapman é detentor do recorde de lançamento mais rápido da história, com uma bola que atingiu bizarros 170 quilômetros por hora.

Na primeira série de dez, errei oito ou nove. Quando começava a esboçar o movimento com os braços, a dita cuja já havia passado. Também errei a altura diversas vezes. Mas não desisti. Na segunda série, já acertei três ou quatro. A maioria ainda saiu mascada depois do encontro com o taco, mas já era um avanço. Senti, naquele momento, que meus reflexos estavam mais apurados. Fui melhorando aos poucos e pedi para aumentar a velocidade do aparelho para 50 quilômetros por hora. Aí a taxa de sucesso despencou novamente. Tentei me inclinar na direção da bola; levantar o pé de apoio para dar distância; segurar o taco com mais força. Nada disso era a receita do sucesso.

Passado o que parecia uma infinidade, me dei por satisfeito. Já estava levemente suado e com as mãos bastante doloridas. “Você só fez 10 minutos”, disse o instrutor.

Voltaria? Junto de mais pessoas é provavelmente mais divertido. Na Arena Beisebol, uma sessão de trinta minutos de rebatida custa 30 reais. Também é possível alugar o espaço em grupo e fazer confraternizações. Rua Visconde de Itaboraí, 328, Vila Azevedo. Seg. a sáb., 15h às 22h.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s