Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Chico Ventana Também Queria Ter um Submarino é uma fantasia densa que prende a atenção

Coprodução entre Uruguai, Brasil, Argentina, Filipinas e Holanda, longa foge do convencional e traz protagonista em silêncio na maior parte do tempo

Por Barbara Demerov Atualizado em 15 jul 2021, 18h04 - Publicado em 16 jul 2021, 06h00

✪✪✪ Chico Ventana Também Queria Ter um Submarino, de Alex Piperno, é um drama com toques fantásticos que não se propõe a explicar ao espectador exatamente o que está acontecendo. Na verdade, todos os eventos apenas fluem ao seu tempo.

É necessário compreender que o desenvolvimento do filme se dá muito mais pela exploração de diferentes ambientes do que por diálogos ou possíveis elucidações. A começar pelo cruzeiro em que um jovem marinheiro trabalha: entre os corredores há uma porta “mágica” que o transporta imediatamente para um apartamento em montevidéu.

O protagonista passa a maior parte de sua aventura em silêncio, apreciando o lugar que conhece sem querer e, também, a mulher que ali reside. Ao mesmo tempo, o filme (uma coprodução entre Uruguai, Brasil, Argentina, Filipinas e Holanda) conta outra história em paralelo: a de um grupo de camponeses rurais que encontra uma cabana abandonada.

Assim como no cruzeiro, o local também possui um segredo. Contemplativo e intrigante, o longa tem como maior mérito o cuidado visual do diretor, que narra a ficção por meio da força das cores e imagens. Em cartaz nos cinemas e nas plataformas digitais a partir do dia 22.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 21 de julho de 2021, edição nº 2747

  • Continua após a publicidade
    Publicidade