Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Pelo que você se sente grato no dia de hoje?

Flavia Melissa, educadora emocional, psicóloga e escritora, escreve sobre enxergar e valorizar as pequenas coisas

Por Flavia Melissa Atualizado em 5 jun 2020, 12h42 - Publicado em 29 Maio 2020, 06h00

Você já deve ter percebido que a sua mente funciona como Super Bonder com o negativo e como sabão com o positivo: você se “agarra” muito mais ao que não lhe agrada do que àquilo que é bom. entenda: o viés da negatividade foi muito importante para a sobrevivência da espécie. imagine a sua tatatatataravó deitada em uma rede, apreciando o pôr do sol, absolutamente relaxada. de repente, ela escuta um barulho no arbusto ao lado. diante dessa situação, sua matriarca poderia cometer dois erros: acreditar que existia um animal selvagem pronto para atacá-la onde não existia nada ou continuar relaxada diante da presença de uma ameaça real. Quem teve mais chance de defender a própria vida e passar para a frente suas características genéticas?

De acordo com a psicologia evolutiva, você pensa mais no negativo do que no positivo graças à sobrevivência de seus ancestrais em uma realidade de fato muito adversa. talvez eles fossem supernoiados — e ainda bem! Só que nossa realidade hoje é muito diferente; entretanto, continuamos tendo o mesmo cérebro ancestral — o que resulta nas ansiedades, depressões e stress pela incapacidade de “desarmar” o alarme do risco iminente, que dispara por qualquer coisa.

Existem recursos internos poderosos que podem nos ajudar a lidar com a vida de uma forma mais serena e feliz. Não significa desprezar as ameaças reais, e sim desenvolver e ampliar a percepção para estarmos conscientes de que nem só de arbustos com barulhos esquisitos é feita a vida. essa forma de viver é o que chamo de Viés da Positividade.

A ciência afirma, com todo o embasamento, que emoções positivas nos trazem inúmeros benefícios, que vão desde o fortalecimento da saúde física e da imunidade até a maior conexão com outras pessoas e o estabelecimento de relacionamentos mais satisfatórios. Entre essas emoções positivas, uma se destaca por sua capacidade de transformar nossa vida por completo: a gratidão.

Em uma das cenas do filme Náufrago, o personagem de Tom Hanks, depois de resgatado da ilha deserta onde viveu sozinho por anos, passa a noite inteira acendendo e apagando o interruptor do abajur do quarto de hotel, absolutamente maravilhado com o “milagre” da energia elétrica. Quantos outros milagres desfilam diante de nossos olhos todos os dias sem que estejamos atentos?

Continua após a publicidade

Nós, enquanto humanidade, nunca fomos ensinados a valorizar as coisas positivas. Sempre nos disseram: “Você pode mais, não se dê por satisfeito tão facilmente!”. também nos diziam: “A vida não é fácil, esteja preparado, não seja pego de surpresa”. foi assim que nosso cérebro foi moldado: para enxergar animais selvagens em arbustos fictícios enquanto borboletas coloridas pousam na ponta do nosso nariz fazendo cócegas — e nós simplesmente não vemos. Que não precisemos mais de tragédias para valorizar as pequenas coisas de nossa vida.

Pelo que você se sente grato no dia de hoje?

Divulgação/Divulgação

Flavia Melissa (@flaviamelissa) é educadora emocional, psicóloga e escritora à frente do Portal Despertar. Convidada do episódio #50 do podcast Jornada da calma, fala sobre seu novo livro, 365 Dias de Gratidão.

 

 

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 3 de junho de 2020, edição nº 2689.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Continua após a publicidade
Publicidade