Dirceu Alves Jr.

Na Plateia

Tudo sobre teatro

“Deus É um DJ” explora naturalismo como ferramenta da interatividade

Depois de subir dois lances de escada, o público entra no Auditório do Museu da Imagem e do Som (MIS) e, no pequeno palco, os atores já parecem estar na ação do espetáculo Deus É um DJ. De uma forma descontraída, Marcos Damigo reclama que Guta Ruiz não para de lixar as unham e deveria […]

Marcos Damigo em cena do espetáculo “Deus É um DJ” (Foto: Ruy Barbosa Jr.)

Depois de subir dois lances de escada, o público entra no Auditório do Museu da Imagem e do Som (MIS) e, no pequeno palco, os atores já parecem estar na ação do espetáculo Deus É um DJ. De uma forma descontraída, Marcos Damigo reclama que Guta Ruiz não para de lixar as unham e deveria controlar as horas perdidas ao celular. Ela, por sua vez, comenta que mal teve tempo de descer para fumar um cigarro, e as pessoas começaram a chegar.

O diretor Marcelo Rubens Paiva abre assim a montagem do drama escrito pelo alemão Falk Richter em 1998: sem definir se quem está ali de fato é a dupla de intérpretes ou os personagens da ficção. E essa opção já colabora para conduzir os espectadores a um mundo interativo. Damigo e Guta dão vida a um casal de artistas contratado por uma galeria para passar dias a fio em um apartamento. As câmeras, por todo lado, encarregam-se de mostrar em momento real suas intimidades.

Aos poucos, vem à tona como os dois se conheceram. Eles ainda recriam lembranças, enfrentam crises de ciúme, dançam, namoram e discutem uma questão crucial para o futuro do relacionamento: a possível chegada de um bebê. À medida que a tensão cresce, o espectador deixa de acompanhar as projeções presentes o tempo inteiro e centra o interesse no conflito do casal. O texto, que parece à primeira vista pretexto, se justifica plenamente. O tom extremamente naturalista das cenas reforça a atualidade da dramaturgia, mas é a afinação de Damigo e Guta que torna-se a principal responsável pelo envolvimento da plateia.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s