Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Oficina Brennand, no Recife, é expandida por escritório paulistano

Oficina celebra cinquenta anos e tem parte de sua expansão desenvolvida por projeto do escritório de Martin Corullon e Gustano Cedroni

Por Tatiane de Assis Atualizado em 25 nov 2021, 21h54 - Publicado em 26 nov 2021, 06h00

O escritório Metro Arquitetos, de Martin Corullon e Gustavo Cedroni, que fica no centro de São Paulo, debuta na capital pernambucana, Recife, com um projeto de requalificação dos espaços da Oficina Brennand.

O lugar, situado no bairro da Várzea, próximo ao câmpus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), renasceu no ano de 1971 como ateliê do escultor, ceramista e pintor Francisco Brennand (1927-2019), um dos grandes nomes das artes plásticas do Brasil no século XX.

Imagem mostra três pinturas expostas em parede. As três são coloridas e mostram animais e plantas.
Francisco Brennand: local foi ateliê do artista. Breno e Gabriel Laprovitera/Divulgação

Mais do que um local de produção, servia à experimentação poética do artista. Um dos jardins da oficina tem as mãos e os olhos do reconhecido paisagista Roberto Burle Marx (1909- 1994). O conjunto também engloba um painel com texto de Ariano Suassuna (1927-2014) cravado na cerâmica.

Nesse contexto, o ateliê se transmuta em um mundo à parte, em que as esculturas de Brennand buscam versões alternativas e inventivas para os primórdios do mundo. E flertam, sem ortodoxia, com o movimento armorial, vertente dos anos 70, que rearranja a cultura popular nordestina em uma roupagem de verniz fantástico e erudito.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

A ida da Metro para o Recife tem explicação em uma parceria passada, com Lucas Pêssoa, diretor-geral da oficina até dezembro de 2021 — em seguida parte para a gestão de Inhotim, em Brumadinho (MG). “Nós já tínhamos trabalhado em um projeto semelhante no prédio Lina, quando ele era diretor financeiro do Masp (detalhe: o Metro também assina o prédio Pietro, anexo da instituição paulistana a ser inaugurado em 2023)”, explica Corullon.

Ele afirma ainda que a iniciativa em Pernambuco conta com etapas de curto, médio e longo prazo. “Acredito que a próxima fase tenha relação com a reativação do acesso no lado sul. Hoje, a oficina opera somente com o acesso no lado norte”, aponta.

Continua após a publicidade

O fluxo entre essas diferentes entradas, explica, desembocará em um restaurante — a ser instalado — e na bilheteria, que ganhará vida a partir da reforma de um galpão, hoje desativado.

Imagem mostra projeto 3D de reforma em galpão. No teto estão pendurados diversos tecidos, formando uma espécie de teia.
Galpão a ser requalificado: mais área de exposições Metro Arquitetos Associados/Divulgação

Em curtíssimo prazo, a Metro ficou responsável pela expografia da mostra Devolver a Terra à Pedra que Era, que comemora os cinquenta anos da instituição e segue em cartaz até 12 de outubro de 2022 no espaço Accademia — grafa-se com dois “c” como na Itália.

Com 200 itens, a maioria feitos por Brennand, tem curadoria de Julieta González e de Júlia Rebouças, diretora artística do espaço. “Queremos ampliar a programação e nos tornar um centro de referência no Brasil”, diz Marianna Brennand, sobrinha-neta do artista e presidente da entidade.

Sem medo da mudança, ela ainda aborda outro ponto a tratar: “Hoje, a captação de recursos está centrada no eixo Rio-São Paulo, precisamos que os patrocinadores nos vejam como destino possível”.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 01 de dezembro de 2021, edição nº 2766

Continua após a publicidade

Publicidade