Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Durante a quarentena, artista Edu de Barros mora em uma galeria de arte

No confinamento, carioca produz afrescos nas paredes e no teto no empreendimento que fica no jardins

Por Tatiane de Assis Atualizado em 8 Maio 2020, 14h10 - Publicado em 8 Maio 2020, 06h00

O artista carioca Edu de Barros teve seus planos profissionais modificados pela pandemia de Covid-19. Edu abriria uma exposição na Sé Galeria em 28 de março. Sua intenção era chegar a São Paulo duas semanas antes para montar a mostra e construir uma instalação. “Minha ideia era fazer uma espécie de retiro, gosto muito de ter uma relação maior com os espaços”, pontua o artista.

Diante da adoção da quarentena, teve de tomar uma decisão: voltar para o Rio ou ficar em São Paulo. Ele escolheu a segunda opção e transformou a galeria em sua casa. Seu companheiro na aventura é o produtor e amigo Raoni Azevedo, que habita com Edu esse doce lar improvisado desde 20 de março.

View this post on Instagram

Salve hereges! Por motivos apocalípticos latentes a abertura da minha exposição individual "CROPPED" dia 28 de março está cancelada. Louco que todo o repertório do #apocaliseverdeeamarelo, um dos meus principais objetos de pesquisa vem ganhando cada vez mais vida. Atualmente moro na Rocinha e vim parar em SP para a principio fazer um retiro de 2 semanas no espaço da @segaleria, o que agora se tornou uma quarentena com tempo indefinido, já que os ônibus interestaduais pararam de rodar e fica difícil retornar. Com todo o investimento que fiz e toda galera que colou comigo pra fazer "CROPPED" nao consigo nem pensar em parar. A ideia agora é ficar por aqui isolado na galeria – um lugar que pode me acolher e à equipe que veio comigo – produzindo até que a situação fique mais estável. Ao invés de abertura e de exposição, manteremos no ar a live que estava no site edudebarros.com, acompanhando nosso trabalho e estadia aqui. se cuidem, e quando tiverem de bobeira acompanhem la! Bjs pós apocalípticos a tds 💕✨ . . Agradecimentos especiais a @segaleria @cc.ccentral @gigidebarros @aranha_____ @raoniazevedo @ntshrbs @mariamonteropassos @clarissssa_diniz @carnauba.felipe @bernardoliu @zaneliciouss @isadhoramuller @dudapossivel @cironajar @vendavalllll @faclubedabrahma @foxgoulartbeauty @cozinhatransada @maxwell__alexandre @cosmesaolucas @antoniopedrodebarros @mariwo_o @igrejadoreinodaarte

A post shared by Edu de Barros (@edudebarros_) on

Continua após a publicidade

“Tomamos banho de balde no pátio, onde também fica a cozinha. No 2º piso, colocamos as camas e as nossas roupas”, esmiúça Edu, que tem trabalhado em afrescos nos tetos e paredes. Para construí-los usou dez chapas de drywall e tintas látex. “Considerando a origem da técnica do afresco, pintar essas placas de gesso é como fazer um comentário sobre a velocidade da arte hoje, quando se erguem e desmontam exposições muito rapidamente”, diz o carioca.

Sobre as figuras que nascem no espaço, ele afirma que não segue uma narrativa linear, prezando pela espontaneidade. As referências são diversas: desde cadeiras amarelas e de plástico vistas em bares e panelas que são usadas para manifestar o descontentamento com políticos até um controverso boné vermelho — cuja cor pode gerar repulsa ou identificação em diferentes setores.

View this post on Instagram

@edudebarros @segaleria #fénasé

A post shared by Sé galeria (@segaleria) on

Continua após a publicidade

Ao acessar @edudebarros_ no Instagram, é possível acompanhar com calma a “residência” do artista, permeada com sua investigação de mudanças de paradigmas no Brasil, chamadas por ele de #apocaliseverdeeamarelo.

Continua após a publicidade
Publicidade