Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Caragh Thuring provoca debate sobre a ideia da tela branca na Luisa Strina

Em suas pinturas também é possível reconhecer a presença constante de vulcões e padrões xadrez

Por Tatiane de Assis Atualizado em 13 dez 2019, 11h20 - Publicado em 13 dez 2019, 11h19

Pela primeira vez, Caragh Thuring, que tem trabalhos no acervo do museu inglês Tate, ganha uma mostra no Brasil. Na galeria Luisa strina, ela exibe onze pinturas. Em Embarrassment of Riches (acima; 2019) e Eruzione del  estão os vulcões fumegantes, recorrentes em sua produção. Em Blaize #3, surge o também frequente padrão xadrez. para quem for visitar a exposição, um aviso: não raro, é difícil distinguir quais figuras foram pintadas por Caragh e quais fazem parte dos tecidos que ela utiliza como base para as telas. Essa confusão se revela interessante justamente por questionar a ideia do suporte inerte, representado pela tela branca. Para a elaboração das tramas, a artista se vale de fotos que ela mesma tirou e de imagens de obras de outros autores.

Galeria Luisa Strina

Rua Padre João Manuel, 755, Cerqueira César, ☎ 3088-2471. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 17h. Grátis. Até 24 de janeiro de 2020.

Publicidade