O Dragão de Fogo

Tipos de Gêneros dramáticos: Infantil
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Catherine Barros

A palavra simples define apenas o cenário, porque a peça O Dragão de Fogo é grandiosa. Dirigida por Marcelo Lazzaratto, a montagem apresenta o ator Eduardo Okamoto em seu primeiro infantil, com o personagem Shun Li. Na trama, o menino artista é sorteado pelo imperador da China para enfrentar o dragão de fogo que atormenta o vilarejo e incendeia os arrozais. Nessa missão, ele encontra um amigo rato (nada corajoso), papel de Esio Magalhães, que o ajuda a decifrar três enigmas propostos pela criatura mítica: embrulhar fogo, produzir vento e empacotar com papel o elemento mais valioso do universo. Inspirada no teatro chinês da Ópera de Pequim, a criação une delicadeza, humor e kung fu de forma belíssima. Recomendado a partir de 4 anos.

    info
  • Direção: Marcelo Lazzaratto
  • Duração: 60 minutos
  • Recomendação: Livre
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Eduardo Okamoto

    Agradeço o olhar generoso para o nosso trabalho! Sempre ambicionei fazer um trabalho para crianças e, ao mesmo tempo, temia a empreitada. Espectador assíduo que fui da cena para a infância, sempre fui consciente da responsabilidade da fruição teatral na formação do sujeito. O olhar atento e generoso dos jornalistas – assim como o contato direto com as crianças, claro – tem fortalecido a nossa aventura e viabilizado mais encontros com espectadores. Abraços.