Elisa Bracher

Resenha por Julia Flamingo

O andar térreo da Galeria Raquel Arnaud cheira a terra molhada com o site-specifc Labirinto, feito pela artista paulistana com taipa de pilão. A obra interfere na arquitetura do próprio espaço e o impacto causado pela sua imponência é contraposto ao conjunto de trabalhos em cartaz no 1º andar, mais singelos. Criada no início deste ano, a escultura Pulmão refere-se à grave doença que a mãe de Bracher enfrentou. Dois infláveis transparentes são seguidamente enchidos de ar e esvaziados, sendo que um deles, porém, carrega uma pedra, o que o impede de ser preenchido por completo. A tranquilidade emanada pela obra é complementada por um poema sonoro que provoca no visitante a vontade de se sentar e curtir a serenidade do ambiente. Até 24/10/2015.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.