Dogville

Tipos de Gêneros dramáticos: Drama
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Dirceu Alves Jr.

Lançado em 2003, um longa-metragem do dinamarquês Lars von Trier incomodou muitos espectadores com uma estética crua, teatral, desprovida de cenários ou elementos realistas. Dogville, o polêmico filme, ganhou os palcos na primeira adaptação brasileira, sob a direção de Zé Henrique de Paula, e chegou com uma cara própria. A trama é ambientada na fictícia cidade homônima, localizada no topo de uma cadeia montanhosa. Os habitantes são poucos, aparentemente cidadãos de bem. É lá que vai parar Grace (interpretada por Mel Lisboa), fugitiva de uma quadrilha, que se oferece para ajudar em qualquer tarefa. O primeiro a lhe estender a mão é Tom (papel de Rodrigo Caetano), que convence os outros a aceitá-la no vilarejo. O constante assédio de Chuck (vivido por Fábio Assunção) e a má vontade de Ma Ginger (a atriz Selma Egrei) são as dificuldades iniciais. Logo, porém, Grace será explorada por todos e até violentada. O espetáculo busca a desconstrução do que foi visto nas telas e, inicialmente, consolida uma autonomia ao recorrer aos efeitos visuais e projeções em vídeo. Não espere os artistas marcando o palco com traços de giz para delimitar espaço. Catorze cadeiras são movimentadas pelo próprio elenco e, de acordo com a disposição, criam o ambiente de uma igreja, um galpão ou uma plantação. Se cinema é imagem, teatro é a arte do ator. E, assim, Zé Henrique fez saltar a personalidade da versão. O diretor explora contornos psicológicos pouco óbvios na maioria dos personagens. A surpreendente Grace de Mel Lisboa é doce, servil, desperta a piedade do público, bem diferente da criação de Nicole Kidman no filme. Como Tom, Rodrigo Caetano surge tão compreensivo que seu contraponto, o Chuck de Assunção, é visto como um vilão cínico e ambíguo. O ator Eric Lenate, luminoso na representação do narrador, desconcerta a plateia quando aparece no final como outro personagem e amplia os limites da fábula ao pôr em xeque a versão dos fatos ouvida até aquele momento. Bianca Byington, Marcelo Villas Boas, Anna Toledo, Gustavo Trestini, Fernanda Thurann, Thalles Cabral, Chris Couto, Blota Filho, Munir Pedrosa, Dudu Ejchel e Fernanda Couto fecham o elenco, e, mesmo em falas discretas, valorizam as aparições (120min). 16 anos. Estreou em 25/1/2019. Até 31/3/2019.

    info
  • Direção: Zé Henrique de Paula
  • Duração: 120 minutos
  • Recomendação: 16 anos
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s